Seu Carrinho
Fechar alternativas ícone
Frete Ok

Você pode estar jogando dinheiro fora

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
Você pode estar jogando dinheiro fora

Calma, não entre em pânico. O que queremos dizer é que na maioria das vezes, o que é chamado de “lixo” na verdade tem um baita valor econômico. Então é bem possível que você já tenha jogado, de uma forma ou outra, dinheiro no lixo. 

Isso acontece porque muito do que vira descarte pode ser matéria-prima para produzir algo novo. Essa é a base da Economia Circular, que já falamos por aqui, e parte do princípio contrário à linha reta de extração, produção e descarte que é como se trabalha atualmente. Na economia circular nada é desperdiçado – ou volta para a natureza para ser transformado em energia, ou o material volta para o ciclo de produção.  

Parece mágico, mas ainda é um sonho. Pra mudar o sistema, é preciso que as pessoas entendam que o “lixo” tem valor: "o resíduo tem um valor ambiental, mas também um valor econômico.

Para garantir que esse material volte para a cadeia produtiva, temos que fazer com que ele seja interessante nesse sentido", palavras do Luís Fernando Barreto, promotor de Justiça e presidente da Abrampa, durante o Fórum Economia Limpa, que rolou em São Paulo.  

E pra entender esse valor, é importante a gente saber o que é resíduo, rejeito, reciclável e orgânico.

  • Os resíduos secos são aqueles que podem ser reutilizados (ou reciclados).
  • Os resíduos orgânicos são sobras de comida, cascas, folhas secas e podas. Esses materiais são reciclados através da compostagem.
  • O rejeito é o que não pode ser reutilizado nem reciclado.

Num mundo ideal, tudo isso seria separado de forma correta, cada um seguindo o seu caminho e o volume de resíduos nos aterros seria drasticamente reduzido.  Durante a Semana do Meio Ambiente rolou um bate-papo incrível - Lixo: alternativas individuais, solução coletiva.  

Nessa conversa o papel e a importância do trabalho dos catadores foi abordado e muito bem explicado pelo Eduardo, que é catador e fundador da primeira cooperativa de catadores do Brasil, a Coopamare.   Atualmente no Brasil quem dá conta da maioria dos recicláveis são os catadores. Segundo o Movimento dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), existem de 800 mil a 1 milhão de catadores em atividade, e como explicado por Eduardo, eles fazem “de graça” o serviço de coleta seletiva que a prefeitura deveria fazer - são eles que coletam cerca de 90% do que é reciclado no Brasil.

Além do alto gasto do orçamento das prefeituras para a destinação dos resíduos (e esse dinheiro é seu!), também tem o alto gasto com desperdício - estima-se que cerca de R$120 bi em resíduos sólidos que poderiam ser matéria-prima não são valorizados no Brasil. Também é estimado que cerca de 80% de todos os resíduos sólidos urbanos poderiam ser reciclados, mas só 13% chegam lá. Ou seja, dinheiro jogado no lixo.

Enquanto isso, algumas “soluções” preguiçosas andam surgindo, como a ideia de incinerar resíduos para “acabar com os lixões”. Como foi colocado no bate-papo por Elisabeth Grimberg, sócia-fundadora do Instituto Pólis, esse é um atalho para não precisar fazer a separação e encaminhamento corretos, além de simplesmente queimar material reciclável. É muito diferente do caso da biodigestão, um método de reciclagem a partir de compostos orgânicos que gera energia limpa. Essa sim é uma forma de produção de energia sustentável, obtida da reciclagem do lixo orgânico.   

Acabar com os lixões é um trabalho muito mais profundo de investimento em coleta adequada nas cidades e conscientização da população e das empresas. É importante que os governos garantam legislações que forcem as empresas e os cidadãos a se responsabilizarem por seus produtos, porque não dá pra esperar só pela boa vontade sem apostar em educação ambiental e incentivos palpáveis. No Brasil, a Política Nacional de Resíduos Sólidos é um bom começo, mas ainda está longe de ser uma solução mágica.   

Se depois de tudo isso você tá querendo fazer a sua parte mas não sabe por onde começar, a dica é se informar sobre a situação da reciclagem na sua cidade. Aqui você pode pesquisar o descarte adequado de resíduos onde você mora.

Pelo app Cataki você consegue encontrar catadores perto de você para encaminhar seus recicláveis de uma forma muito bacana. Além disso, a LOGA tem um material super bacana explicando como embrulhar corretamente materiais perigosos antes de encaminhar, para proteger quem fará a coleta:  

 

Bora começar a cuidar melhor do que você descarta? ;) 

Comentários sobre esta postagem (219)

Deixe um comentário

x