Calce Uma Causa

Passo a passo para montar um armário cápsula que é a sua cara!

Passo a passo para montar um armário cápsula que é a sua cara!

Adotar um armário cápsula faz bem para você e para o planeta. Afinal, de acordo com esse estudo da McKinsey, para cada 5 peças novas produzidas por ano, 3 são descartadas. Outra pesquisa mostrou que 90% de nossas roupas são jogadas fora muito antes do necessário - usamos em média 7 vezes e depois não queremos mais. 

O armário cápsula, quando olhado pelo viés sustentável, tem essa grande vantagem. Estimula a usarmos mais o que já temos, comprar menos e fazer escolhas mais inteligentes na hora de aderir ou não a tendências, adquirindo peças somente quando necessário. 

Provavelmente você já leu aquela célebre frase da estilista Vivienne Westwood: “Compre menos, escolha bem e faça durar”. Essas podem ser consideradas premissas não só para um guarda-roupas de sucesso, mas também para um guarda-roupas sustentável, e são perfeitas para começar a pensar em um armário cápsula.

A ideia de armário cápsula surgiu na década de 1970 com a estilista inglesa Susie Faux, autora do livro “Wardrobe: Develop Your Style and Confidence” (Armário: Desenvolva seu estilo e confiança). Para ela, uma pessoa deveria ter apenas peças atemporais e versáteis pensadas para funcionar em todos os momentos. 

Mais tarde, em 1985, a designer Donna Karan levou esse conceito para a passarela com sua coleção “7 Easy Pieces” (7 Peças Fáceis). A coleção foi construída com apenas 7 peças que poderiam ser misturadas de várias maneiras, criando looks diferentes de acordo com a combinação.

Hoje, o armário cápsula é uma aposta forte entre os adeptos do minimalismo, mas você não precisa necessariamente ser minimalista para adotar essas ideias. E já avisamos: pode parecer difícil, mas pelo contrário, vai facilitar a sua vida!

armário cápsula: como montar

 

Como funciona o armário cápsula?

O armário cápsula é uma seleção limitada de peças de roupa que podem ser usados para criar várias combinações diferentes, pensadas estrategicamente para atender a todos os momentos da sua rotina. 

Há uma regra de que são necessárias apenas 37 peças, mas isso vai depender muito do seu estilo de vida. Pode ser um pouco menos, ou um pouco mais, e tudo bem. Só não vale extrapolar, porque a ideia é simplificar!

Antes de montar um armário cápsula é importante você fazer uma análise dos seus gostos e principalmente do seu estilo. Para algumas pessoas é natural, mas para outras tantas, definir um estilo pessoal pode ser um desafio. Nossa dica é procurar uma consultoria - hoje existem vários profissionais com um olhar voltado para a sustentabilidade, que ajudam a trabalhar a autoestima e entender seu estilo de forma compreensiva. Ninguém vai jogar suas roupas no lixo e mandar começar do zero! 

Com o estilo definido, é hora de pensar no seu dia a dia. Analise as ocasiões em que você precisa se vestir: trabalho, lazer, estudos, etc. O que você mais usa e o que você mais gosta de usar? As peças selecionadas poderão ser revistas a cada 3 meses (ou seja, a cada troca de estação).

Com essa lógica de mudar tudo a cada 3 meses, a sensação de novidade pode acontecer com coisas que você já tem, e evita compras por impulso. Porque veja bem: a ideia do armário cápsula não é você viver com apenas 37 roupas e renovar todo o guarda-roupas a cada troca de estação. Você vai selecionar as que estarão em uso nesse período e o restante fica guardado, entrando em cena quando for necessário. 

Durante esses três meses você não deve comprar nenhuma roupa nova. Só na última semana da temporada você irá fazer uma avaliação da seleção de peças. Sentiu falta de um item? Teve uma peça que você não usou ou usou apenas uma vez nesse tempo todo e poderia ter ficado guardada? É hora de repensar, tirar o que não rolou e acrescentar o que faltou. É possível que nesse momento você perceba que precisa comprar algo, e tudo bem! Faça isso de forma inteligente e sem impulsos. 


Como escolher o que vou usar?

Antes de mais nada, não se desfaça do que você já tem. Boa parte (senão todas!) das peças do seu armário cápsula já estão no seu guarda-roupas, você só precisa saber enxergar. A ideia é fazer durar o que você já tem e evitar ao máximo comprar roupas novas sem necessidade. 

Uma dica é tirar tudo do armário e espalhar em cima da cama (ou onde mais for necessário). Você fará uma avaliação cuidadosa e honesta de tudo que tem ali. Separe em 3 pilhas: o que sai, o que fica e o que você ainda não tem certeza. 

Comece pelo que sai: aquilo que você não usa, não serve mais, não tem a ver com o seu estilo ou momento de vida ou simplesmente não está mais em condições de uso. Divida essa pilha em roupas que você pode vender, doar ou descartar - lembre-se de procurar instituições ou cooperativas de costura que reaproveitam tecidos. Nunca jogue roupas no lixo!

Na pilha do que fica estão as peças que você mais gosta. Daí sairão as 37 peças de cada trimestre, e mesmo aqui a ideia é enxugar bastante. Procure desapegar de roupas para eventos específicos, como festas que você nem sabe quando irá ou roupas para climas muito frios (caso você more no Brasil), por exemplo. Para eventos únicos e viagens você pode alugar.

Por último, dê uma olhada naquelas roupas que você não tem certeza. Elas funcionam com as que você gosta? Ainda servem? Precisam de ajustes? Experimente-as e veja se fazem sentido. Lembre-se de que o armário cápsula não é lugar para “um dia talvez eu use isso”. Desapegar ajuda a fazer a energia circular, pode render uma graninha e tira da sua frente aquelas roupas que sempre te deixam em dúvida.  

Ah, e sem desespero: no armário cápsula são contados partes de baixo, partes de cima, vestidos, peças únicas, casacos e sapatos. Roupas de academia, acessórios, bolsas, roupas de banho como maiôs e biquínis, pijamas, roupas de ficar em casa e peças de baixo como calcinhas, sutiãs e cuecas ficam de fora. Mas mesmo aqui, pense em ter somente o necessário, claro!


Fazendo a roupa durar 

Um dos melhores truques para ter um armário cápsula de sucesso - e um guarda-roupas em geral - é investir em peças duráveis e de qualidade. Os básicos essenciais, aqueles que você vai usar sempre e repetir com maior frequência, devem ser a sua prioridade. 

Além de pensar em bons caimentos, modelagens atemporais e cores fáceis de combinar, preste atenção nos acabamentos. Experimente a roupa, vire-a do avesso e confira costuras, aviamentos como botões, zíperes e outros detalhes. 

Escolher bem os materiais também é importante. Em geral, as peças de tecidos naturais são mais resistentes e duráveis, além de ecológicas. O algodão 100% é imbatível, e se for orgânico, melhor ainda. Os sintéticos são mais práticos por não amassarem e secarem rápido, mas costumam ter uma resistência menor ao uso e lavagens.

Confira sempre as etiquetas das roupas para ter certeza de que elas são de fato feitas no material que você procura. E por falar em etiquetas, você costuma prestar atenção às orientações? Aqueles símbolos são o seu manual de instruções para cada roupa. Segui-los é um dos grandes segredos das roupas duráveis. 

Se você não gosta de roupas que precisam ser passadas, por exemplo, uma dica é evitar comprar e ter essas peças. Priorize roupas que não amassam e você nunca mais vai passar roupa!

Na hora da lavagem as instruções são fundamentais. Lave à mão o que deve ser lavado à mão, não encha a máquina e faça o possível para lavar menos as roupas. Se tem sujeiras localizadas, limpe-as. Se você não gosta dessa função, procure ter somente roupas que resistem às lavagens na máquina. 

Guardar corretamente também faz a diferença, principalmente pensando naquelas roupas que não estão em uso, mas você vai querer usar na próxima estação. Peças de tricô, lã e malhas podem deformar se forem penduradas, por exemplo. Com um guarda-roupas mais vazio você pode dedicar mais espaço a guardar cada peça da melhor maneira, sem roupas amassadas e empilhadas. 


Reforme, troque, alugue e tenha roupas novas sem comprar

Ter roupas duráveis também significa fazer reformas, porque elas não são descartáveis. Às vezes, uma roupa nova pode ser exatamente aquela que você já tem, mas precisa de algum ajuste. Reveja o que pode ser feito em relação a comprimento, largura, trocas de mangas, botões e detalhes, além de consertar desfiados, buracos e pequenos rasgos. Uma boa costureira é uma ótima amiga do armário cápsula!

Outra boa opção que tem crescido muito é o sistema de aluguel de roupas. Você pode sem problemas incluir peças de aluguel no seu armário cápsula se quiser, ou se for precisar daquele estilo por um determinado tempo apenas. Essa opção ainda te ajuda a experimentar estilos e tendências sem precisar adquirir roupas novas e sobrecarregar o seu bolso e o planeta. 

Ainda há uma prática que foi sendo deixada para trás com o tempo, mas também é muito válida: trocar entre amigos! Compartilhar peças com amigos, namorados e familiares é uma ótima estratégia para ter um guarda-roupas mais versátil. Mas é claro, todo mundo precisa estar de acordo em cuidar muito bem das peças para que elas possam ir e voltar várias vezes.

Continue lendo

Moda sustentável: saiba mais sobre o movimento

Moda sustentável: saiba mais sobre o movimento

Você já ouviu falar em moda sustentável? Cada vez mais, esse conceito tem ganhado espaço, pois busca questionar o processo de produção que gera impactos ambientais nocivos, repensando as formas tradicionais de desenvolvimento e trazendo um ponto de vista ecológico.


E foi exatamente dessa premissa que surgiu a Insecta. Por isso, hoje, vamos te ajudar a entender um pouco mais sobre o que é sustentabilidade na moda e qual é a importância disso nos dias atuais. Confira!

A indústria da moda e o impacto do meio ambiente

A indústria da moda e sustentabilidade nem sempre andaram juntas. Com a popularização das fast fashion a partir da década de 1990, a produção de roupas passou a ser feita de forma cada vez mais rápida e a preços baixos.  

Com isso, as coleções chegam às lojas a cada semana, levando a um consumo desenfreado às custas do meio ambiente e à desvalorização de trabalhadores da indústria têxtil, que são explorados e recebem, em média, de US$ 2 a US$ 3 por dia. 

As pegadas ambientais da indústria têxtil vão desde os agrotóxicos usados no plantio do algodão até o descarte da roupa em aterros sanitários. Para se ter uma ideia, a moda é responsável por 8% das emissões de carbono na atmosfera, ficando atrás apenas da indústria petrolífera. 

Segundo um relatório da Ellen MacArthur Foundation, devido ao alto descarte da indústria, cerca de R$ 500 bilhões são perdidos anualmente, e 25% de tudo o que é produzido vira lixo, poluindo e levando a uma rápida degradação da natureza. 

O que é moda sustentável?

Na contramão das fast fashion e do consumismo, a moda sustentável tem como premissa utilizar métodos de produção que não geram impactos ambientais. Aqui, o objetivo é que todas as etapas de produção, desde utilização das matérias-primas até a venda, sejam feitas de forma sustentável.

A sustentabilidade na moda prevê a utilização de recursos menos nocivos ao meio ambiente, como tecidos orgânicos e certificados, e a reutilização de materiais descartados, como roupas usadas, borracha e garrafas, assim como fazemos na Insecta.

Produzir peças duráveis é outro ponto-chave para a moda sustentável. Afinal, de nada adianta utilizar materiais ecologicamente corretos e não pensar na vida útil do produto. Por isso, é importante se preocupar com a fabricação de itens que possam ser utilizados por muito tempo, em contrapartida às peças de fast fashion, que são utilizadas, em média, apenas cinco vezes.

Conheça algumas formas de moda sustentável

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre a complexa relação entre moda e sustentabilidade, é hora de conhecer os diversos tipos de moda sustentável que existem por aí. Dá só uma olhada:

Zero-waste fashion

O zero-waste fashion, que significa “moda lixo zero”, é uma filosofia que tem como objetivo levar a zero a produção de lixo durante a indústria têxtil. Aqui, os designers pensam em como utilizar os materiais em toda a sua capacidade sem gerar desperdício de recursos.

Upcycling

Dentro da moda sustentável, o Upcycling é um dos movimentos que tem ganhado bastante popularidade nos últimos anos. Ele tem como objetivo dar um novo rumo a materiais que seriam descartados, como resíduos, plástico e roupas antigas, que são utilizadas para fazer novas peças de forma criativa.

Slow fashion

O slow fashion, que significa “moda devagar”, faz oposição direta ao fast fashion e defende uma produção têxtil lenta, com valorização de quem fez e dos processos e condições de trabalho de quem fabrica as peças.

Insecta: onde o eco e o sexy caminham juntos

Aqui, na Insecta, fazemos uma moda sustentável que vai desde a utilização de materiais ecologicamente corretos até o fechamento de ciclo, onde você pode devolver um Besouro usado e ajudar a transformá-lo em um novo calçado, contribuindo para a economia circular.

Por isso, estamos sempre falando sobre a importância da moda sustentável e o consumo consciente por aqui. Então, que tal ficar por dentro do assunto e saber mais sobre como você pode ajudar o meio-ambiente com passos simples? Continue lendo

Qual o impacto ambiental da produção de um sapato?

Qual o impacto ambiental da produção de um sapato?
Na Green Friday apresentamos o nosso primeiro Relatório De Impacto Socioambiental, onde explicamos direitinho a nossa produção e falamos do futuro que queremos construir. Mas achamos que pra você entender ainda melhor a diferença que estamos fazendo (e ainda pretendemos fazer) é importante contar mais algumas coisas sobre a produção tradicional de calçados: 
  • As indústrias de calçados e vestuário geraram entre 5% e 10% da poluição global em 2016.
  • Produtos de couro têm o maior impacto (por conta da cadeia de extração e beneficiamento), seguidos pelos sintéticos (por conta da produção de polietileno e poliéster) e por fim dos calçados de tecido (afetam a disponibilidade de água doce, devido ao cultivo de algodão). 

Como a gente dribla isso? Focando a nossa em materiais veganos e cada vez mais em material reaproveitado. ;) 


Por aqui o que a gente faz é reutilizar tudo que for possível como enchimento de palmilha, evitando mandar para aterros. 

  • A indústria calçadista também gera resíduos industriais, como lodos de estações de tratamento de efluentes, cromo (utilizado no curtimento do couro), enxofre, cloro e outros compostos  altamente solúveis quando jogados (ilegalmente) na água. 
  • Eles afetam os organismos aquáticos e também os humanos, causando problemas de fígado, dermatites, irritações do trato respiratório e podem agir como disruptores endócrinos. 

 

Como evitar isso? Rastreabilidade. Estamos em contato com grande parte dos nossos fornecedores para ter certeza de que tudo que é feito nas fábricas é feito de maneira correta, e nossa meta é ter uma cadeia 100% rastreável. 

  • Um estudo feito na China concluiu que a maior parte das emissões de CO² vem do momento da produção nas fábricas, porque lá a matriz energética dominante é a queima de carvão. 
  • No Brasil temos uma matriz energética muito mais limpa, e quando você consome marcas locais ajuda a evitar essas emissões lá no outro lado do planeta (além das geradas no transporte). 
  • Priorizar produtos feitos em menor escala também é uma maneira de ajudar a reduzir emissões, seja lá onde for a produção. 

A indústria calçadista ainda tem muitos problemas, mas sabemos que pode melhorar, é só querer. Estamos aqui, abrindo caminhos e mostrando que é possível uma produção mais limpa e responsável, mas precisamos que todo mundo embarque nessa com a gente. Vamos?  

Ah, você ainda não viu o nosso relatório? Clique aqui pra conferir! Continue lendo

5 atitudes que podemos aprender (e levar pra vida) com a Semana do Meio Ambiente

5 atitudes que podemos aprender (e levar pra vida) com a Semana do Meio Ambiente

O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado todo dia 5 de junho e é o maior evento relacionado ao tema que existe. 💚 Esse ano (2019, pra você que chegou depois), com sede na China, o tema das discussões durante a semana que vai de 3 a 7 é “poluição do ar”.

Qual a importância disso?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 7 milhões de pessoas morrem todo ano vítimas de doenças relacionadas à poluição do ar. No ano passado, alguns estudos ligaram esse problema até a casos de diabetes. A poluição do ar afeta inclusive o crescimento das árvores em grandes cidades como São Paulo.

Em 2018 foi lançado o relatório “Poluição do Ar na Ásia e no Pacífico: Soluções Baseadas em Ciência” que estabelece 25 medidas com uma meta ousada: garantir ar limpo para 1 bilhão de pessoas até 2030. Dá uma olhada nelas (em inglês) aqui.

O que fazer a respeito?

Você deve ter percebido que a maioria das medidas é relacionada a indústrias, governos, e mudanças em larga escala. Mas não é por isso que nós vamos sentar e esperar que eles se mexam, né? Nós já falamos sobre poluição do ar aqui no blog e sobre como todos podemos ajudar a melhorar esse problema com pequenas mudanças. O que a gente pode fazer? (e dá pra começar agora!)

  1. Deixar o carro em casa e dar preferência ao transporte coletivo ou, quando possível, bicicleta, patinete e afins.
  2. O clássico desligar luz, computador e qualquer coisa alimentada pela energia elétrica quando não estiver usando (incluindo o carregador do celular que fica esquecido na tomada).
  3.  Consumir produtos locais é ótimo para reduzir as emissões de poluentes do transporte. Se ligar na hora de escolher geladeiras e refrigeradores de ar: muito da poluição doméstica vem de gases produzidos por esses aparelhos. Use com responsabilidade e confira a eficiência energética antes de comprar. Consumir produtos locais também é ótimo para reduzir as emissões de poluentes do transporte.
  4. Reduza (ou zere, se possível) o consumo de Isopor, e quando for necessário utiliza-lo faça o descarte correto, nós já falamos sobre isso aqui no Blog. O isopor é um dos maiores poluidores dos oceanos e quando descartado do jeito errado, se aventura e sai por aí indo parar em lagos, rios e mares, onde fica boiando e é engolido por animais.
  5. Além de tudo isso, vamos falar daquele assunto velho conhecido: precisamos gerar menos lixo, principalmente o plástico que não pode ser reciclado. E precisa ser uma ação global. Em março desse ano, a União Europeia aprovou uma lei para proibir até 2021 itens como talheres, pratos, canudos outros descartáveis. A queima de resíduos plásticos a céu aberto é uma das principais fontes de poluição do ar, liberando gases tóxicos responsáveis também pelo efeito estufa. Cerca de 40% de todo o lixo do mundo é queimado, segundo estudos.   Incinerar lixo não é a solução, e sim parar de produzir (e usar!) coisas que não podem ser recicladas, pra começar.
No Brasil ainda estamos engatinhando nessa mudança em termos de políticas públicas, inclusive com algumas falhas. Mas cabe a nós fazer o possível para mudar o cenário enquanto medidas maiores não são tomadas. Vamos? Continue lendo

Brasil Eco Fashion Week: uma moda mais sustentável é possível

Brasil Eco Fashion Week: uma moda mais sustentável é possível

Bom mesmo é ver o que a gente acredita ganhando cada vez mais força, né? Por isso queremos te contar, com muita alegria, que a Insecta estará no primeiro grande evento dedicado à moda brasileira com foco na sustentabilidade - a Brasil Eco Fashion Week, ou BEFW. Vai rolar no Unibes Cultural, no Sumaré, zona oeste de São Paulo entre 22 e 24 de novembro (com uma abertura só pra convidados no dia 21), então já vai separando um espaço na agenda pra dar um pulo. É imperdível e aberto a todos que quiserem visitar. ♡

Feito nos moldes da Eco Fashion Week, que rola desde 2010 no Canadá, a nossa semana de moda também é pensada para apresentar soluções e mostrar pra todo mundo que um consumo mais consciente é possível. Aliás, o BEFW vai muito além de um evento de moda, porque não fica limitado a lançamentos de coleções e modismos. A proposta é dar força a novas ideias, conectar quem faz com quem quer consumir essa moda mais sustentável e ainda apresentar essa possibilidade pra quem não conhece.

A gente vai participar do showroom, que é um espaço inovador no evento. Além das vendas para varejo e atacado, será aberto para a visitação do público. Além de nós, mais de 30 marcas estarão por lá esperando pra mostrar a sua produção sustentável pra quem quiser conhecer. Quem visitar a BEFW pode participar de várias atividades, oficinas, palestras, workshops e rodas de conversa. E pra pausa entre uma atividade e outra, terá praça de alimentação com slow food pra recarregar as energias com saúde. O evento é gratuito, mas é necessária uma inscrição prévia. 

Brasil Eco Fashion Week

Onde: Unibes Cultural - Rua Oscar Freire, 2500

Quando: Dias 22 a 24 de novembro das 10h às 21h

Mais informações e programação completa no site oficial. 

Continue lendo

5 vestidos que se transformaram em sapato

5 vestidos que se transformaram em sapato
A linha vintage é a origem da Insecta. É como tudo começou. Dos garimpos em brechós a sapatos de tecidos reaproveitados, feitos de peças de roupa que não tinham mais atrativo como roupas. Adoramos ajudar nessa metamorfose de roupa esquecida para sapato novinho pronto pra sair por aí em busca de novas histórias. Nos nossos garimpos, encontramos vários vestidos. Muitos deles têm modelagens datadas ou alguma restrição que impede de serem usados, mas estampas com muito potencial. Aí entramos em ação e os transformamos em sapatos ecológicos. Hoje queremos te apresentar 5 deles, pra você ver como essas estampas tem tudo pra brilhar muito nessa nova jornada. Scarabeus Santigola A vibe do Scarabeus Santigola é exótica, com uma estampa toda poderosa e contrastante. Os arabescos e a combinação de verde luminoso com roxo dão um toque de oriente que a gente adora. Scarabeus-Santigola Scarabeus Sesame O Sesame era um vestido mais comportadinho, com direito a rendinha no decote. A estampa segue essa linha: mais discreta e fofa, com flores outonais delicadas. Perfeito pra ser aquele sapato de todo dia. Scarabeus-Sesame Scarabeus Quiche Como pode um vestido basicão virar um sapato tão diferente? Com certeza a metamorfose fez muito bem pro Scarabeus Quiche. A estampa suave com florais é toda romântica, mas nos pés ela pode ganhar várias interpretações novas. Scarabeus-Quiche Vedalia Slinger A Vedalia Slinger nasceu de um vestido que era mais pesado e fechado. Por ter esse clima mais invernal, se transformou em uma botinha. Mas não se engane com a estampa de fundo escuro não, porque os florais dão um super destaque graças ao contraste. Vedalia-Slinger Scarabeus Garruchos À primeira vista, a estampa do Scarabeus Garruchos parece mais um floral diferentão. Mas quando a gente olha melhor descobre que tem vários animais escondidinhos por ali, nos espiando. Quando era vestido, eles estavam todos na mesma peça. Agora, na versão sapato, os animais se espalharam e poderão cada um seguir pra um caminho diferente. Scarabeus-Garruchos Vem ver mais da nossa linha vintage aqui: http://www.insectashoes.com/vintage Continue lendo

5 Motivos para visitar a pop up da Insecta no Rio de Janeiro

5 Motivos para visitar a pop up da Insecta no Rio de Janeiro
Está chegando a hora de nos despedirmos da cidade maravilhosa. São as últimas semanas da nossa loja temporária no Rio de Janeiro, e já estamos com saudades do incrível bairro de Botafogo, que nos recebeu de braços abertos. Então, se você está pensando em dar um pulo no nosso casulo, a hora é agora e temos 5 motivos pra você não perder mesmo essa oportunidade. 1_Você pode experimentar o Insecta e conhecer de pertinho: Aqui você vai poder ver de perto aquela estampa que estava namorando ou tirar a prova final na frente do espelho. Ainda temos vários pares, todos unissex, que vale a pena conhecer ao vivo e a cores. IMG_6019 2_ Brechós, sebos e cena cultural do Botafogo: O bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro, conhecido como o Soho carioca, é dono de uma alma descontraída e está sempre bem movimentado. Esse lugar tão especial já rendeu um post aqui no blog, com um verdadeiro guia pra você aproveitar os melhores brechós, sebos, livrarias e comidas vegetarianas. Processed with VSCO with f2 preset 3_ Levar o sapato novo na hora: Experimentou, amou, já quer sair usando? Essa é a maior vantagem de comprar na loja física. E não esquece que levando dois ou mais pares, a ecobag exclusiva é presente. ;)  4_ Conhecer o BLOCO: Nossa pop up está localizada no BLOCO, um espaço cultural muito bacana. É um ambiente multicultural que promove eventos, talks, shows e vários projetos ligados à educação, empreendedorismo, entretenimento, cultura e arte. Processed with VSCO with a8 preset 5_ Já estamos nos preparando para voar de volta pra casa: Por último, mas não menos importante, nosso casulo carioca está na cidade maravilhosa até o dia 15 de Abril. Embarcamos de malas cheias com todos os modelos mais amados em várias versões de estampas. Para quem quer garantir o seu, pode vir que ainda temos vários pares esperando. Então anota aí: estamos até o dia 15 de Abril na Rua Martins Ferreira, 12, pertinho do metrô. Ficamos abertos de segunda a sábado, das 12h às 20h. Vem!
Continue lendo

Como nasceu o besouro?

Como nasceu o besouro?

A Insecta é uma marca de sapatos e acessórios ecológicos e veganos, produzidos no Brasil, que tem o reaproveitamento como palavra-chave. Isso você, que nos acompanha, sabe. Mas e a história de como a Insecta surgiu, você conhece?

Tudo começou em 2014, em Porto Alegre, como contamos aqui. Nessa época, existiam duas marcas, o brechó Urban Vintagers, cheio de garimpos exclusivos, e a MAG-P Shoes, que produzia calçados artesanais com excessos de couro e materiais que seriam descartados pela indústria calçadista. Já deu pra entender o que vai acontecer, né?

1512000_558144304298453_7101904004707254683_o

1888951_519515464828004_383575229_o

As duas marcas que tinham como base o upcycling e a moda ética se uniram em uma parceria criativa para dar vida nova a peças com estampas incríveis, mas que já não podiam voltar às araras do Urban Vintagers por conta de defeitinhos ou outras limitações. Assim, a MAG-P produziu 20 pares de calçados estampados feitos a partir de tecidos vintage reaproveitados. Foi sucesso imediato e os pares esgotaram rapidinho!

A partir dessa experiência que deu super certo, o desejo de produzir peças ecológicas, unissex e baseadas no comércio justo deu origem à Insecta Shoes, e assim nasceu o Besouro. E por que Insecta? As duas criadoras da marca, Babi e Pam, tinham em comum a paixão por insetos exóticos.

Untitled

Depois do primeiro vôo do Besouro, crescemos e seguimos crescendo. Pousamos em várias cidades do Brasil, fizemos parcerias incríveis e hoje, além da linha vintage que deu origem à Insecta, também temos a linha PET, com estampas exclusivas feitas em tecidos criados a partir de reaproveitamento de garrafas descartadas.

E a melhor parte de tudo é ter vocês nos acompanhando!

Continue lendo

Insecta no RIO, mas por pouco tempo!

Insecta no RIO, mas por pouco tempo!
Nossos sapatos ecológicos e veganos agora estão disponíveis na capital carioca! Mas se liga que a estadia na cidade maravilhosa é temporária: a pop up store ficará no Rio até o dia 15 de abril. O besouro levou na mala os já conhecidos Scarabeus, Cicadas, Papilios e Cordulias, todos sustentáveis e disponíveis nas mais diversas estampas exclusivas. Para quem curte um visual mais básico, também temos opções lisas, grande parte produzida com a reutilização de garrafas PET reciclada. Incrível, né? 16707384_1184775314968679_8206148061769822356_o 16300140_1184775784968632_6158107284889048663_o Para comemorar a chegada da Insecta, rolou um evento super bacana no nosso novo espaço. Bons drinks, músicas no nosso mood e burguers veganos preparados pela Roux Vegana marcaram essa festa lindona. Clica aqui para conferir quem passou por lá!  16602069_1184775464968664_9215664811240091980_o A loja temporária fica localiza no bairro Botafogo, anota aí: Rua Martins Ferreira, 12. Um pulinho do metrô até o casulo! Se liga no horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 12h às 20h.   Continue lendo

Em breve: Insecta + Flávia Aranha

Em breve: Insecta + Flávia Aranha
Nos próximos dias estaremos dando vida a mais uma parceria que nos enche de orgulho! Dessa vez unimos forças com a incrível designer Flavia Aranha. As duas marcas com a pegada slow fashion trabalharam com tecidos e tingimentos naturais, parte deles produzidos com o excedente de produção da Flavia. Dessa incrível parceria surgiram quatro variações: dois Scarabeus e duas Cordulias. Pra quem não sabe, a Flavia Aranha vai na contramão de outros jovens criadores preocupados com tendências, trabalha com sustentabilidade e tingimento natural. O objetivo sempre é resgatar um trabalho artesanal que se perdeu no tempo e na vida das pessoas, através de reinvenções, buscando uma nova valoração da brasilidade. Quer saber mais sobre o trabalho da designer? Cola na página oficial.  r1-08055-0011_01 Para comemorar a collab incrível preparamos um evento para reunir muita gente bacana, bons sons e drinks delícia. O som fica por conta da Giu Nunez, com muitas brasilidades e afrobeats deliciosos! Clique aqui para confirmar presença. E tem mais: a já fotógrafa oficial do besouro Carine Wallauer clicou um editorial super especial que você pode conferir no lançamento da coleção. Do jeito que a gente curte: tudo de forma analógica! <3 Aqui vai um preview: r1-08055-0020_01 r1-08055-0003_01 Continue lendo

X vinnu_lennartc

Opssss

A gente tá trabalhando em algumas novidades e por isso a loja estará instável das 16h as 18h.

Logo, logo estaremos de volta, tá!