Calce Uma Causa

Collab Insecta + Colibrii

Collab Insecta + Colibrii

Finalmente chegou a hora de apresentar pra todo mundo A novidade que estávamos preparando. Unimos forças com mais uma marca que tem tudo a ver com a Insecta, a Colibrii. Pra quem ainda não conhece, a Colibrii é uma marca de Porto Alegre que trabalha com artesãs locais co-criando produtos com materiais alternativos e reutilizados. Em busca da reutilização de mais materiais e a troca de experiências entre os profissionais de ambos os negócios, criamos uma linha super limitada de mochilas e nécessaires.  

Processed with VSCOcam with f2 preset

Processed with VSCOcam with f2 preset

As artesãs que deram vida aos produtos foram a Dona Neni e Eni - inclusive bateremos um papo com a dupla, é só ficar ligado por aqui para saber o que rolou.  

Processed with VSCOcam with f2 preset

Dessa vez, o besouro deu um toque especial na produção! Olha só o resultado:

Colibrii

O mais bacana de tudo isso é que praticamente todo o material utilizado vem de algum reaproveitamento! A gente explica: 

- Os tecidos são oriundos da reciclagem de garrafas PET reciclada e calças jeans:

Processed with VSCOcam with f2 preset

- O forro interno é feito com o nylon de guarda-chuvas. Quem nunca quebrou um no meio de uma ventania? Pois então, esse material não é descartado por aqui.  

Processed with VSCOcam with f2 preset

- A alça é feita com cinto de segurança. Se segura!

Processed with VSCOcam with f2 preset

Ah, e as novidades não param por aí: em meio a insetos e muito verde, rolou um editorial lindão com a talentosa fotógrafa Tuane Eggers! Em breve você poderá conferir pelas nossas redes.

Você pode conferir todos os produtos da collab clicando aqui!

Continue lendo

#FeitoNoBrasil: Crua

#FeitoNoBrasil: Crua

“Através de um olhar atento e sensível busca-se a harmonia de materiais reutilizados ou inusitados com novos elementos, para a construção de produtos de moda e design”.

Germana Lópes é a mente por traz da marca de acessórios catarinense Crua. Através da ressignificação de madeira descartada pela indústria moveleira, Germana cria peças contemporâneas com essência minimalista.

Formada em Design de Moda, Germana nunca pensou em trabalhar com acessórios, mas sempre teve vontade de ter sua própria marca. O caminho até o universo da joalheria se deu através de sua paixão por trabalhos manuais e curiosidade pelo universo ainda não experimentado.

Processed with VSCOcam with f2 preset

Há um ano nascia então a Crua, a materialização de todas as vontades e interesses da Germana com um toque minimalista e que conversa também com as artes plásticas e a arquitetura.

Processed with VSCOcam with f2 presetProcessed with VSCOcam with f2 preset

 “Ter acesso fácil a matéria-prima e a preocupação em transformar ela em algo útil, dar uma nova vida, também foi um propulsor para o surgimento da marca”, explica.

A matéria-prima principal da marca, a madeira, é garimpada em marcenarias e caçambas de entulho, e alguns pontos também cedem resíduos semanalmente para a marca. “A produção de móveis gera muitas sobras, pra eles não são úteis, mas pra nós é ouro. É com esses pedacinhos que realizamos nosso trabalho. Recolhemos madeiras nobres como canela, peroba, imbuia”, completa.

Processed with VSCOcam with f2 preset

Quando olhamos de perto, é possível ver a pintura manual, extremamente cuidadosa, em cada peça, refletindo as referências das artes plásticas e da arquitetura. “A ideia da pintura surgiu por conta da paixão por cores e formas geométricas, essas linguagens em contraste com a beleza crua da madeira me encanta muito”, finaliza Germana.

Para ver mais sobre a marca, acesse a loja online da Crua, clicando aqui!

Processed with VSCOcam with f2 presetProcessed with VSCOcam with f2 preset

Continue lendo

A Green Friday Veio Propor Um Novo Olhar À Black Friday

A Green Friday Veio Propor Um Novo Olhar À Black Friday

Talvez vocês estejam se perguntando por que a Insecta resolveu romper com a Black Friday e propor, ao invés de descontos que podem gerar compras impulsivas, um dia para reflexão sobre os problemas que permeiam a indústria do consumo e refletem, de maneira direta e impiedosa, no nosso planeta e na nossa vida.

O Green Friday surgiu como uma iniciativa norteada pela missão e valores da marca, onde um dos principais objetivos é incentivar novas empresas a pensarem mais verde. Estamos em um momento crucial, onde a economia, o meio ambiente e a sociedade pedem por ações melhores por parte das organizações políticas e privadas. Não é mais possível administrar novas empresas com base em velhas ideias.

Nós falamos que o primeiro passo para ser consciente na hora de comprar – e na hora de produzir produtos – é a curiosidade por informação. Nem sempre nós temos noção total do impacto das nossas ações ou o que o nosso dinheiro está financiando através da compra.

Para tornar mais clara a necessidade de falarmos cada vez mais sobre os impactos do consumo não só para fazermos escolhas de compras melhores, mas também para cobrar das empresas e do governo melhores práticas, nós trouxemos alguns dados da indústria da moda quando o assunto é meio ambiente.

GreenFriday_02

1- 1 bilhão de animais são mortos anualmente só para a indústria da moda.

Por isso, é importante que as marcas façam escolhas de produtos melhores e livres de ingredientes de origem animal. Além da crueldade para com os animais, produtos como couro e pele consomem 50% mais energia no processo de produção quando comparado a fibras de origem natural (como algodão e linho) ou sintética (como poliéster e poliuretano).

 

2 - 10% das emissões de CEO são provenientes da indústria da moda e 51% provem da criação de animais para abate. 

A moda é um dos grandes responsáveis pela poluição do ar, perdendo apenas para outras indústrias massivas como dos meios de transporte (13%) e criação de animais para abate e produção de subprodutos da indústria alimentícia (51%).

 

3 - ¼ (ou 25%) de todo o agrotóxico usado em plantações no mundo é usado em plantações de algodão.

As plantações de algodão representam apenas 3% de área plantada do planeta, mas consomem uma quantidade enorme de agrotóxicos, mais que qualquer outro tipo de plantação. Além de ser péssimo para o meio-ambiente e para os trabalhadores, o agrotóxico mata todo o ecossistema nos arredores das plantações, destruindo a fauna e a flora local.

 

4 - 80 bilhões de peças são consumidas por ano (imagine as produzidas e não vendidas!)

E o mundo só tem 7 bilhões de habitantes. Se a distribuição fosse igualitária, o que não é, cada cidadão consumiria cerca de 11 peças ao ano.

 

5 - Nos EUA, 75% das roupas são jogadas fora e apenas 15% são doadas ou recicladas. Esses 75% representam 10,5 milhões de toneladas de roupas por ano, das quais 90% poderiam ser recicladas – isso só nos EUA.

Esses dados comprovam a importância do reaproveitando e de iniciativas que prolongam a vida útil das peças já fabricadas. São 10,5 milhões de toneladas de matérias-primas (fibras, insumos químicos, água e energia) sendo indiretamente jogadas no aterro sanitário por ano. Só nos EUA.

 

6 - 40 milhões de empregados no setor têxtil e de confecção dos quais 85% são jovens mulheres de 16 a 25 anos.

 

7 - A indústria têxtil é responsável por 20% da poluição das águas do planeta.

 

8 - Além de ser uma grande consumidora também, cerca de 8. 387 bilhões de litros de água são consumidos anualmente pela indústria têxtil.

 

9 - No Brasil, o faturamento da cadeia têxtil e confecção já chegou a 58 bilhões de dólares.

Isso mostra a importância e a dimensão da indústria da moda brasileira, que emprega cerca de 1,5 milhões de trabalhadores formais e cerca de 8 milhões de trabalhadores informais. Sem dúvidas, é uma indústria impactante não só no âmbito da economia, como também no âmbito socioambiental.

 

Depois de toda essa informação, nessa Black Friday (e em todos os outros dias) nossa dica é pensar bem antes de comprar. Você realmente precisa do produto que está desejando? 

Continue lendo

Moda Consciente É Mais Que Um Produto

Moda Consciente É Mais Que Um Produto

Algumas pessoas imaginam que quando falamos em consumir “moda consciente” estamos falando, única e exclusivamente, sobre comprar produtos taxados como eco-friendly ou “sustentáveis”. Porém, moda consciente, ou consumo consciente, não é necessariamente sobre escolher um produto eco-friendly, mas sim sobre ser consciente do que se está comprando.

Por exemplo, quando compramos um chiclete de morango, a maioria de nós não sabe exatamente do que aquele chiclete é feito, nem como ele chegou até as nossas mãos. Não sabemos muito sobre a composição da tal goma de mascar, provavelmente não fazemos ideia que o corante vermelho responsável por deixar o chiclete vermelho é derivado dos insetos cochonilha, ou que a goma pode ser composta por sebo de carneiro.

O mesmo acontece na moda. Nós tendemos a comprar roupas sem saber de onde elas vierem, quem as fabricou e em quais condições. Às vezes, nem mesmo sabemos do que ela é composta – algodão, poliéster, lã? E como e sobre quais condições essas fibras foram produzidas? Muitos de nós não faz ideia que as peças produzidas têm uma etiqueta de composição, imagine então pensar no processo de produção da fibra.

Mas a realidade é que não estamos mais em tempo de consumir com tamanha falta de conexão. Cada vez mais, “a mercadoria que consumimos tornou-se apenas uma parte do amplo sistema de significações que nos constitui enquanto indivíduos pertencentes a um laço social”. É exatamente nesse momento de ressignificação, quando começamos a entender nossa responsabilidade não só como consumidor, mas como protagonista social, que a moda (e o consumo) consciente têm espaço para florescer.

A partir da nossa curiosidade e vontade de saber, buscamos informações e nos tornamos aptos para fazer escolhas realmente conscientes. Podemos comprar uma peça de roupa por R$15, mas saberemos que esse não é o valor mais justo a se pagar por um produto de moda. Podemos comprar aquela goma de mascar de morango, porém conscientes do que estamos colocando na boca.  Sabendo das diversos questões socioambientais envolvidas na produção de um produto, provavelmente teremos chance de fazer escolhas melhores, não só para nós, mas para o mundo.

Continue lendo

Lava, Seca e Passa: minimize o impacto dessa rotina

Lava, Seca e Passa: minimize o impacto dessa rotina

Entender como cuidar das suas roupas em casa é essencial quando falamos em moda consciente e práticas de consumo mais sustentáveis. Primeiro, como nós já falamos aqui, cuidar bem das suas peças vai te ajudar a prolongar a vida útil delas, evitando assim o descarte e a compra de novos itens. Segundo, 58% de todo impacto ambiental da vida de uma peça acontece no pós-consumo, ou seja, manutenção e descarte.

O uso de sabões, detergentes e amaciantes não biodegradáveis, excesso de água, altas temperaturas, energias das máquinas de lavar e secar, ferro, produtos químicos na lavagem à seco, tudo isso está envolvido quando falamos em impacto ambiental da manutenção das peças. Diariamente, nós temos a chance de reduzir esse impacto seguindo sempre as instruções de lavagem e fazendo escolhas mais inteligentes.

 

  • Práticas inteligentes de lavagem:

O primeiro passo é lavar algumas roupas com menos frequência como, por exemplo, calças e jaquetas jeans. Quando o CEO da Levi’s, Chip Bergh, incentivou as pessoas a pararem de lavar suas calças jeans houve um tremendo alvoroço. Culturalmente falando, essa é uma opção que se distancia muito da nossa realidade, mas a verdade é que a calça jeans é um item feito para ser usado muitas e muitas vezes sem ser lavado. Dependendo da calça jeans, a dica é não lavá-la por, no mínimo, seis meses. Para remover manchas durante o período, produtos “tira manchas” são excelentes aliados, assim como o freezer. Colocar a calça jeans num saco e submetê-la a baixas temperaturas remove odores e mata bactérias.

Se congelar suas roupas é demais para você, tente usar calças, suéteres, vestidos e outras roupas pelo menos três vezes, e não abra mão dos tira manchas e produtos de pré-lavagem para garantir limpeza total com menos água e detergentes. Normalmente, poucas gotas desses produtos são suficientes para remover a sujeira pesada e odores por conta do uso. Outra dica é potencializar seu sabão em pó com bicabornato de sódio, assim você precisa de menos quantidade de produto.

Lavagem de roupas

As máquinas de lavar são inimigas do meio ambiente. Elas ainda não são inteligentes o suficiente para economizar água e energia (muitas máquinas consomem ainda mais energia para esquentar a água do processo de lavagem) de acordo com as peças e tecidos. Por isso, cheque as instruções de lavagem na etiqueta de composição, elas vão dizer o jeito ideal de cuidar da sua peça. Evite usar os processos completos oferecidos pelas máquinas de lavar, pois eles gastam uma quantidade excessiva de água desnecessariamente.

O que poucas pessoas sabem é que os processos de lavagem das roupas devem ser escolhidos por tipos de tecido e não por quão sujo a peça está. Alguns tecidos são mais fáceis de limpar, outros menos, por isso é essencial checar a etiqueta. Tecidos de lã, por exemplo, são facilmente limpos apenas com o vapor do chuveiro gerado por nosso banho, sem necessidade de entrar em contato direto com a água e sem uso de produtos.

Quando possível, lave suas roupas à mão. Roupas íntimas e delicadas não só podem, como devem ser lavadas à mão para garantir maior durabilidade da peça. Isso poupa também o gasto excessivo de água necessário para encher as máquinas de lavar.

Por fim, opte por sabões, detergentes e amaciantes menos nocivos ao meio ambiente.

 

  • Práticas inteligentes de secagem e passadoria:

Nos EUA, 2/3 de todo o consumo de energia gerados durante a vida útil de uma peça-padrão acontece na fase de manutenção. Em grande parte, isso ocorre por conta não só das máquinas de lavar como também da secadora e do ferro de passar. No Brasil, as secadoras de roupa não são tão populares, mas muitas casas já contam com uma. Para quem tem a máquina em casa, a dica é optar por temperaturas de secagem médias e baixas, de acordo com as instruções da etiqueta, evitando temperaturas altas que consomem mais energia e ainda podem encolher a peça.

Na fase de passadoria é importante também evitar altas temperaturas e o vapor quando ele não for necessário. Tecidos sintéticos como poliéster 100%, poliamida, e acrílico não precisam passar. Algodão, linho e viscose devem ser tratados com cuidado em temperaturas baixas ou médias, sempre seguindo as instruções da etiqueta para evitar danos à peça e economizar energia. 

Na hora de cuidar das suas peças é essencial se informar e estar atento aos detalhes. Cada atitude conta para impactar menos o meio ambiente, fazer a peça durar mais e adiar seu descarte.

Continue lendo

X vinnu_lennartc

Opssss

A gente tá trabalhando em algumas novidades e por isso a loja estará instável das 16h as 18h.

Logo, logo estaremos de volta, tá!