Seu Carrinho
Fechar alternativas ícone
Frete Ok

Calce Uma Causa

Meca é Love: 7 motivos para ir ao festival

Meca é Love: 7 motivos para ir ao festival
O maior menor festival do Brasil tá de volta! E pela primeira vez em Porto Alegre. Pra quem não tá por dentro, o MecaFestival desse ano vai rolar nesse sábado, no Butiá, em Itapuã. Já passou aqui no Casulo do Besouro (Lima e Silva, 1519) pra garantir o teu ingresso? Estamos abertos das 14h até as 20h. Não vai perder essa chance de participar desse festival que vai reunir muitas good vibes, música boa e natureza. Tem coisa melhor? Saca só o line up e o que esperar de cada um dos shows:   1- Lumen Craft A noite começa com Lumen Craft. O projeto audiovisual paulista une tecnologia ao humano. Formada por um cineasta, um engenheiro e um produtor de som, a banda utiliza instrumentos digitais pra reproduzir sons convencionais. Adicione isso a uma cenografia interativa que eles utilizam no palco e só vai dar pra concluir uma coisa: esse show é de fazer qualquer cérebro bugar. 2 - Miami Horror Altas doses de sintetizadores, teclados alucinantes, vocais ensolarados e uma forte ligação com a dance music do final dos anos 1970. Prepare-se pra absorver todas essas referências incríveis no show do headliner Miami Horror nesse sábado :) Com 2 álbuns no currículo, a banda de Melbourne, na Austrália, volta ao Brasil depois de 5 anos para divulgar o seu último disco “All Possible Futures” - que conta com participações especial de nomes de peso da música alternativa como a Kimbra e o Neon Indian. Vai carregando as baterias pra curtir esse show energético incrível: 3 - Oh Wonder Outra banda que promete aquecer corpos e corações é a Oh Wonder. A dupla britânica formada por Josephine Vander Gucht e Anthony West faz um indie pop leve e gostoso que costuma agradar até quem não curte muito o estilo. Pra ter uma noção do nível de aceitação do Oh Wonder, no ano passado eles foram a segunda banda mais citada em blogs, lotaram a maioria das casas de shows pelas quais passaram e emplacaram todas as músicas do seu primeiro álbum no #1 do Hype Machine. Olha só a harmonia entre os vocais da dupla: 4 - Jerry Paper “Uma entidade de onze dimensões que eventualmente ocupa o corpo 3D de Lucas”: é assim que Jerry Paper, nome artístico do excêntrico Lucas Nathan, se apresenta. Mas, acima de tudo, Lucas é um workaholic! Nos últimos 2 anos ele gravou 7 discos, criou um videogame pra acompanhar o lançamento de um deles e ainda achou tempo para produzir um documentário de mentira sobre a sua vida: Se você se lembrou do Mac DeMarco e seu documentário maluco “Pepperoni Playboy”, qualquer semelhança não é mera coincidência! A sonoridade de Jerry Paper lembra um pouco o disco “Rock And Roll Night Club” do canadense. Uma mistura de vaporwave, computação gráfica dos anos 1990, robes de seda e synth pop é o mínimo que podemos esperar do show do americano. O resto é surpresa. 5 - Database Lucio Morais e Yuri Chix são o Database. A dupla formada por um paulista e um recifense já recebeu elogios de Jaz-Z, foi remixada por Fatboy Slim e lançou EPs pelo selo francês Kitusné (o mesmo de Two Door Cinema Club, Phoenix, La Roux, Klaxons). Além disso, os caras acabam de divulgar o disco “Vivid Exposition” com participação de nomes como Savoir Adore, Patrick Baker, French Horn Rebellion e Aldo The Band. A primeira live desse disco vai rolar no Meca. Então, não perde, porque até figurino especial eles prepararam: 6 - Lia Paris Se nós temos certeza de 1 coisa sobre esse Meca é que o show da Lia Paris vai ser super performático. Isso porque antes de ser render a música, a paulista estudou moda e trabalhou uma temporada como trapezista e pirografa no circo! Foi só em 2015 que a cantora lançou o seu primeiro disco. Produzido pelo Carlos Miranda, o álbum conta com participações especiais do Samuel Rosa (Skank), Marcelo Jeneci, Alexandre Kassin, Adriano Cintra (CSS) e até mesmo Pupillo (Nação Zumbi). De som, o disco é autobiográfico e utiliza influências que vão do pop dos anos 1950 até o indie eletrônico atual. Um spoiler: 7 - Jaloo Jaloo é um dos nomes mais incríveis da cena tecnobrega brasileira. O paraense ganhou esse apelido depois que suas versões de hits como “Back To Black”, da Amy Winehouse” e “I Feel Love”, da Donna Summer, bombaram no Youtube. 4 anos depois de viralizar, ele lançou seu primeiro disco pela Skol Music. #1 é um daqueles álbuns pra dar play, dançar, chorar, rir e no fim sair com a alma lavada. A gente não espera menos do show! “Ah, vem pra cá, balançar, se acabar. Sente o som, tudo é bom”: Continue lendo

De norte a sul: 10 festivais brasileiros pra fazer da música terapia

De norte a sul: 10 festivais brasileiros pra fazer da música terapia
A música tem o poder de conectar pessoas de gerações, religiões, sotaques e posições políticas diferentes. Usando apenas timbres e melodias, artistas e bandas transportam milhares de pessoas pra um espaço-tempo - geográfica e emocionalmente - onde nunca estiveram antes. Essa é a experiência que tem atraído milhares de pessoas a participarem de festivais de música há décadas no Brasil. Não é a toa que hoje o país é o segundo maior mercado de música ao vivo na América Latina, ficando atrás apenas do México, e recebendo gigantes da gringa como Tomorrowland e Lollapalooza. Mas você conhece os festivais BRASILEIROS que rolam por aqui? Fizemos uma listinha dos 10 mais legais, de sul a norte do país, pra você desbravar os quatro cantos do Brasil através da música:  
  1. Bananada
O Festival Bananada faz Goiânia respirar música e arte há 17 edições. E bota fôlego nisso: a cidade recebe durante 1 semana - geralmente de maio - em bares, restaurantes e centros culturais coadjuvantes e protagonistas da música independente brasileira. Só esse ano passaram pelos palcos do festival nomes como Caetano Veloso, Criolo, Karol Conká, Allah-Las, Pato Fú, Wannabe Jalva, Boogarins, Bike e muitos outros artistas incríveis. BananadaBananada  
  1. Morrostock
O Morrostock foi criado em 2007 e a sua primeira edição aconteceu em Sapiranga, no Rio Grande do Sul. Pro Paulo Zé, fundador do festival, um dos motivos do evento acontecer é mostrar que é possível fazer um festival em que o objetivo não é necessariamente lucrar, mas unir as pessoas e promover a música. Aleḿ disso, o festival tem todo um viés ambiental, de sustentabilidade. Durante o evento são oferecidas diversas oficinas sobre o assunto e o pessoal fica um final de semana em contato com a natureza <3 Morrostock E ainda tem as bandas (rsrs): na edição de 2015, que vai rolar dos dias 9,10,11 e 12 de outubro, já estão confirmados Júpiter Maçã, Francisco, El Hombre, O Terno, Inmigantes.  
  1. Psicodalia
Pra quem não gosta de Carnaval, aqui tá a solução: o Psicodalia é um mega festival (5 palcos + 100 atrações) que acontece todo ano em Rio Negrinho, Santa Catarina, durante os 6 dias do feriadão. O evento conta com 18 edições no currículo e já foi mais roqueiro, mas hoje abrange os mais diferentes públicos: desde jazz até o rock psicodélico. Psicodalia No ano passado, Ian Anderson, Arnaldo Baptista, Jards Macalé, Baby do Brasil passaram pelo evento. E, ah, sem contar que o festival tem todo um viés ecológico e, assim como o Morrostock, também oferece oficinas sustentáveis <3 Psicodalia  
  1. Cultura Inglesa Festival
O Cultura Inglesa Festival já faz parte do calendário dos grandes eventos de São Paulo. O evento já teve 19 edições e todo ano promove um intercâmbio cultural entre Brasil e Reino Unido com uma extensa programação de música, cinema, exposições. Na edição desse ano, rolaram shows do Johnny Marr e do The Strypes. Também já passaram pelo festival Franz Ferdinand, The Horrors e Kate Nash. E o melhor: o festival é GRATUITO :) Cultura Inglesa Festival  
  1. Popload Gig+ Festival
O Popload Gig e o Popload Festival são dois festivais  paulistas organizados pelo blog Popload em parceria com a agência Squat International. O primeiro é o único pocket festival do país e só esse ano já uniu Boogarins + The Horrors , Clap Your Hands Say Yeah + Aldo e Sharon Van Etten. Sharon Van Etten Já o Popload Festival é a versão GIGANTE do Popload Gig. Desde 2013, já reuniu The XX, Tame Impala, Cat Power, Metronomy, Pond e várias outras bandas brutais. Popload Festival E esse ano vai rolar uma edição dia 16-17 outubro com Iggy Pop, Natalie Press, Emicida, Belle And Sebastian e Spoon. Corre, que ainda dá tempo de comprar os ingresso! Além de contar com um baita line up, os caras ainda fazem ações super legais. Como, por exemplo, sortear ingressos pra quem fazer trabalho voluntário ou doar sangue <3  
  1. MECA
Diferentes dos grandes festivais de música, o MECA foi criado pra um público pequeno, que curte conhecer bandas novas. O line up dos caras sempre tenta antecipar o que vai bombar aqui no Brasil. Desde 2011 já passaram por lá CSS, Vampire Weekend, Friendly Fires, The Rapture, Two Door Cinema Club, La Roux, Years & Years..   Meca Festival O Festival originalmente acontece no litoral do Rio Grande do Sul, mas hoje já tem edições confirmadas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Esse ano, também aconteceu uma edição especial em Inhotim (MG) - o maior centro de arte contemporânea ao ar livre da América Latina. Meca  
  1. Vento Festival
O Vento Festival teve sua primeira edição em julho desse ano, mas os shows de Tulipa Ruiz, Céu, Holger, O Terno, Inky, Charlie e Os Marretas, Guizado já deixam saudade. E o melhor: tudo acontece em Ilhabela (SP), um das praias mais bonitas do Brasil: Ilha Bela Além das apresentações de peso, o Festival Independente também dá oportunidades pra gigs espontâneas. A iniciativa se chama “open mic” e a único requisito pra uma banda se inscrever é ter pelo menos um membro que seja morador da Ilha.  
  1. Rec-beat
O Rec-Beat há 20 edições toma conta do Cais da Alfândega, um dos cartões postais do Recife, durante o carnaval pernambucano. O festival foi idealizado pelo jornalista e produtor cultural Antonio Gutierrez em 1995, que tinha como objetivo apresentar pros “foliões” a nova cena musical pernambucana, que na época era nada mais nada menos que Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. A marca registrada do evento é a presença do inusitado e do experimental e o encontro da tradição com as novas tendências. Esse ano passaram por lá Juçara Marçal, Luiz Melodia, Mombojó, Russo Passapusso, Thiago Pethit e Tagore. Rec Beat  
  1. Sofar Sounds
Você sairia de casa pra ir em um festival sem ter ideia do que vai ouvir por lá? E se a surpresa fosse Tiê, O Terno, Dingo Bells, Selton? O Sofar Sounds funciona assim: primeiro você precisa se inscrever no site do projeto antecipadamente e torcer pra ser convidado pro evento (como os shows são intimistas, o número de convidados é pequeno). Caso você seja um dos sortudos, receberá 48 horas antes do show o local do festival (são ambientes inusitados como casas, ateliês e galerias). Por último, é só colar no agito. O Sofar já passou por 8 capitais do Brasil. Então, fica de olho que a sua pode ser a próxima :)   10. Vaca Amarela Três dias + 45 bandas + 1 programação que se pauta na diversidade <3 O Vaca Amarela de Goiânia, Goiás, é um festival que apresenta artistas que são referências nacionais em seus estilos, que abraça a música alternativa/independente como um todo. Prova disso é o line up desse ano que tem Emicida, Tulipa Ruiz, Cone Crew, O Terno, Baleia, Fresno e também sobra pras revelações de Goiás, como a banda Carne Doce. Vaca Amarela Partiu? :) Continue lendo
x