Calce Uma Causa

Antirracismo: como podemos contribuir

Antirracismo: como podemos contribuir

Não é de hoje que o antirracismo vem ganhando espaço no Brasil e em todo o mundo. O movimento Vidas Negras Importam, que mobilizou muita gente nas redes sociais e fora delas nos últimos tempos, tem nos mostrado como é importante tomar atitudes hoje para poder desenhar um amanhã mais justo. 

Aí é que tá. Falar é até fácil, mas não resolve. Colocar a mão na massa e efetivamente participar e promover ações e atitudes inclusivas deve estar na pauta individual e coletiva, o que envolve assumir que o preconceito está impregnado em hábitos e culturas que vão além da discriminação escancarada, né?

Por isso, no post de hoje, resolvemos falar sobre o assunto e trazer algumas informações para te ajudar a entender melhor como combater o racismo com ações práticas no dia a dia.

 

O que é antirracismo?

O antirracismo se caracteriza por um conjunto de ações práticas e intelectuais que têm como objetivo fazer oposição ao racismo vigente em todas as estruturas de poder. Talvez, para progredirmos, o primeiro passo seja aceitar que o racismo na sociedade está em cada um de nós. 

Seja em expressões que a gente usa ou em pequenas atitudes diárias que nem percebemos, o racismo está enraizado em nossa cultura e sociedade. Com isso em mente, buscar saber a verdade lendo autores negros e conhecendo movimentos de quem vive a realidade na pele pode ser um caminho para entender o papel de cada um de nós nisso.

Outro passo importante para combater o racismo no Brasil é a cobrança de políticas públicas, com projetos de lei que visam o punimento severo aos atos racistas e de discriminação. Portanto, é preciso se envolver em ações, conhecendo os movimentos e defendendo a luta de pessoas negras.

 

Dicas de leituras e pensadores antirracistas

Existem autores contemporâneos muito legais que podem ajudar na educação antirracista, como a americana Angela Davis e a brasileira Djamila Ribeiro, ambas filósofas. Elas são bem didáticas em mostrar como chegamos até aqui, assim como para apontar algumas saídas. 

Em uma entrevista à BBC, Djamilla explicou que, depois de percebido o privilégio branco, é hora de usá-lo para virar o jogo. Portanto, é preciso  utilizar essa posição para dar mais espaço às pessoas negras. 

“Na educação, se a gente é educador, tem que questionar a nossa bibliografia. Será que na nossa bibliografia tem autores e autoras negros e negras? Se nós elaboramos o mundo, por que nossas elaborações de mundo não estão presentes nessas bibliografias? Se é empregador, está empregando pessoas negras?”.

 

Qual é o posicionamento da Insecta no movimento antirracista?

Por aqui, tentamos ao máximo fazer a nossa parte para combater o racismo enraizado na sociedade. Temos como prioridade a inclusão de modelos pretos no casting dos ensaios, além de outras iniciativas que visam gerar oportunidades.

Oportunidade

Na Insecta, aproveitamos oportunidades para trabalhar com parceiros diversos, como as afroempreendedoras do Afromascaras. Além disso, atualmente, mais de 50% da nossa equipe se identifica como negra. Priorizamos a contratação de negros em atividades terceirizadas, como redação, fotografia e produção de vídeos.

Parcerias 

Tivemos uma parceria linda com a Gabriela Moura em 2017 que rendeu uma coluna aqui no blog, com textos que são mais atuais do que nunca. E já tivemos alguns bate-papos na loja de Pinheiros para debater o racismo na sociedade brasileira.

Inclusão

Em nossa última campanha de Dia das Mulheres, falamos sobre interseccionalidade. Mas sabemos que ainda temos muito a melhorar. Nossa liderança, por exemplo, ainda é 100% branca.

No coletivo, queremos ver mais pessoas mobilizadas e fazendo sua parte na luta antirracismo. Portanto, em vez de relativizar, é necessário dar voz a quem precisa ser ouvido, abrindo espaços, dando oportunidades e usando os próprios privilégios para que isso ocorra.

 

Saiba o que você pode fazer para contribuir

Por todo o Brasil, algumas ações muito legais já começam a florescer. A campanha Pretos no Enem, por exemplo, ajuda a custear a taxa de inscrição de estudantes que não poderiam fazer o exame de outro jeito. O Movimento Amplia faz a mesma coisa. 

Durante as manifestações dos últimos dias, diversos advogados se propuseram a dar consultoria jurídica a quem fosse preso injustamente pela polícia (sabemos que, na maioria das vezes, isso acontece com homens negros). Falando na Gabriela Moura, ela escreve no coletivo Blogueiras Negras, que está precisando de assinaturas para se manter no ar. 

Tem gente doando quantias a movimentos ligados à causa, assim como perfis com muitos seguidores abrindo suas contas nas redes sociais pra que artistas e pensadores negros possam ter mais visibilidade. São muitas as possibilidades de combate ao racismo atualmente. O importante mesmo é não ficar só no discurso.

Insecta: por um mundo mais justo

Na Insecta, buscamos repensar nossos privilégios e utilizá-los em prol de um mundo mais justo e igualitário, dando oportunidades e espaço para a luta antirracismo. Não há dúvidas de que o racismo existe e é nosso dever buscar formas de combatê-lo. 

Por isso, aqui você sempre verá posts sobre o assunto, com dicas de ações práticas, leituras e movimentos para conhecer e saber mais sobre a causa, assim como ficar por dentro das nossas propostas de inclusão e oportunidades.

Continue lendo

20 de novembro: qual o papel da população branca?

20 de novembro: qual o papel da população branca?

No ano passado eu escrevi aqui para o blog da Insecta sobre as razões que fazem o Dia da Consciência Negra tão importante. Expliquei os caminhos históricos que fizeram nosso país ser considerado um dos mais racistas do mundo, fato esse ainda negado por uma parcela conservadora que acredita que racismo só se dá pela verbalização pública de termos pejorativos, ignorando que sua recusa em refletir é parte das ações racistas de nossa sociedade.

Apesar de alguns pequenos avanços, as notícias ainda são pessimistas para a população negra: o genocídio de jovens negros, o feminicídio de mulheres negras e a taxa de desemprego entre negros de todas as idades seguem aumentando, tornando a luta por equidade mais complexa e difícil, uma vez que as razões e consequências do racismo estrutural são várias. Mas é nesse dia, também, que pessoas brancas empáticas à causa negra escolhem expor seu apoio. Muitas vezes recebo mensagens dessas pessoas, me questionando qual seria a forma mais eficaz de ajudar a população negra.

Outras alegam que não fazem nada por medo de “roubar o local de fala” dos negros. Por isso, meu artigo de hoje é voltado para nossos amigos brancos e como vocês podem (e, ao meu ver, devem) ajudar no combate ao racismo. Para introduzir esta argumentação, preciso relembrar uma história. Há exatamente um ano, no dia 20 de novembro, uma escritora feminista branca resolveu dar sua contribuição a tão importante data. Para isso, resolveu escrever um post em seu perfil em uma rede social, muito bem fundamentado, falando sobre o privilégio branco e assuntos que concernem a este tópico.

Não seria exatamente um problema se: 1) ela tivesse escolhido outro dia para expor suas ideias, em vez de usar uma data que precisa ser usada para dar visibilidade aos negros e 2) não tivesse escrito de uma forma que ficou parecendo que ela recortou um punhado de trechos de textos de autoras negras, modificou um pouco as palavras e assinou com seu nome.

No fim das contas, o imbróglio foi certo: algumas pessoas negras a questionaram por ela, em pleno dia da consciência negra, viralizar em world wide web com argumentações retiradas de escritoras negras sem dar a nenhuma delas créditos pelas referências.

Ao ser questionada pelo oportunismo, a escritora branca se ofendeu - ignorando que já havia ofendido cada mulher negra que viu seus escritos serem usados como base por uma escritora branca, sem receberem créditos. Sob o meu ponto de vista, a pior forma de querer mostrar apoio é tomar para si um assunto em vez de oferecer autores negros como referência. Nestes casos, eu sempre recomendo a obra da doutora em Psicologia Social, Lia Vainer Schucman, autora do livro Entre o encardido, o branco e o branquíssimo. Na obra, a autora propõe o estudo da branquitude: o que significa ser branco em termos práticos e simbólicos? Quais são os tais privilégios dos quais todos falam tanto? O que significa ser branco em um país que se popularizou sob a farsa da democracia racial?

Os estudos sobre a branquitude vão muito além de especulações sobre o que seriam tais privilégios. Brancos dificilmente se veem como raça. Eles se veem como pessoas. Por isso é tão difícil fazer a população compreender que raça não é um termo pejorativo. Os conceitos de normalidade, civilidade e educação foram moldados sob o ponto de vista branco, e tudo o que sai deste eixo é tido como exótico. No ano passado eu tive a oportunidade de participar de um debate sobre racismo na mídia na sede do jornal Le monde Diplomatique. Após o evento, propusemos ao veículo que cedesse espaço para escritores negros em uma série sobre racismo, e foi assim que tive um artigo meu publicado no jornal.

Existem muitos caminhos para estudarmos racismo, e no meu caso, para os meus escritos a minha base foram a Comunicação e Psicologia, mostrando um pouco da teoria do estrangeiro, que torna os preconceitos tão vivos em nossas relações sociais, e como as dinâmicas dos veículos de comunicação pulverizam senso comum em uma massa populacional, dificultando a quebra desses paradigmas. Por isso, quando uma pessoa branca me questiona sobre como pode ajudar a população negra, a resposta é sempre: estude branquitude. Saiba o que é ser branco e o que isso simboliza em nosso país. Em outra ocasião fiz um post no meu Facebook perguntando por que meus amigos brancos não compareciam a eventos negros - palestras, debates, conferências, etc. As respostas tornaram o post um show de horror. Pessoas brancas alegavam que tinham medo de se sentirem discriminadas e hostilizadas, ou diziam que achavam que os eventos negros não eram lugar pra elas. É preciso entender algumas coisas sobre isso:

  1. Existem alguns eventos negros que são exclusivos para pessoas negras. Geralmente são eventos de formação política, para ajudar àqueles que estão em processo de se reconhecer como negros, e também para estudos de leituras de intelectuais negros. Esses espaços precisam ser respeitados. É importante que tenhamos tempo e espaço para compreendermos nossa própria existência.
  2. Negros passam uma vida sendo rechaçados, assassinados e desumanizados apenas por serem negros. E brancos acham que sabem o que é hostilidade quando simplesmente não querem compreender como os grupos negros se organizam.
  3. A maioria dos eventos negros são abertos para todos, o que torna totalmente possível a participação de pessoas brancas para que possam aprender mais sobre as nossas pautas. Muitos desses eventos são gratuitos, inclusive.
Ao contrário do que propagam fanpages conservadoras, não existe mimimi algum nós negros. Pelo contrário, nós trabalhamos em múltiplas jornadas. Muitos de nós, além de um emprego em horário comercial, mantemos atividades em coletivos, ongs ou centros culturais, montando cursos, oficinas e outras atividades para disseminar conhecimento sobre nossa história e cultura. Nós somos uma população muito ativa, criativa e proativa. Neste 20 de novembro eu convido a população branca a nos conhecer e reconhecer. Continue lendo

X vinnu_lennartc

Opssss

A gente tá trabalhando em algumas novidades e por isso a loja estará instável das 16h as 18h.

Logo, logo estaremos de volta, tá!