Calce Uma Causa

Spotify Insecta: leve, alegre e dançante!

Spotify Insecta: leve, alegre e dançante!

Nossa loja física tem um clima todo especial, e não é só porque tem besouros pra todo lado, um cheirinho que é marca registrada, arte e peças vintage na decoração. Além de todas essas atrações imperdíveis, ainda temos um sonzinho delícia sempre rolando pra botar todo mundo na vibe do besouro. 

Insecta Shoes

As playlists que rolam por aqui são assinadas pelo Bananas Music Branding, que é a empresa responsável pela nossa curadoria musical. Cada track que toca na nossa loja é escolhida a dedo por ter a cara da Insecta! 

Processed with VSCOcam with f2 preset Processed with VSCOcam with f2 preset

Pra quem não pode passar aqui pra conferir ao vivo, a boa notícia é que dá pra dar um pulo no Spotify e começar a nos seguir: é só clicar aqui! Lá temos as playlists "Bate Macumba", "Tropical Insecta", "Pise Leve" e "Stellis", em homenagem à nossa sapatilha de bico fino. Entre os (vários) nomes que você vai ouvir por aqui estão Novos Baianos, Tim Maia, Céu, Devendra Banhart, Manu Chao, Chico Buarque, Gal Costa e Jorge Ben Jor. Sempre bem leve, alegre e dançante, pra você entrar no clima junto com a gente de onde estiver! 

Continue lendo

5 bandas do SXSW que entraram pro iPod do besouro

5 bandas do SXSW que entraram pro iPod do besouro
Março, mais conhecido como mês passado, foi quando o besouro da Insecta Shoes voou até Austin. Lá, ele participou do já tradicional South By Southwest, um festival acontece há 28 anos e que reúne jovens empreendedores, novas empresas, novidades da tecnologia, música, design e arte. Em suma, o SXSW aborda a descoberta como tema principal em tudo o que apresenta ao público.   Entre os muitos painéis, debates e palestras, também acontecem shows. Mais de 2 mil bandas desembarcam no Texas para mostrar o seu som ao mundo. Depois de absorver todas as referências e novidades, selecionamos as 5 que se tornaram as nossas favoritas e entraram pras nossas playlists mais ouvidas!   1. Alvvays Se você ainda ainda não ouviu Alvvays, prepare-se porque estamos prestes a te apresentar alguns dos sons mais deliciosos dos últimos tempos. Vício certo para quem curte um dream pop que beira o surf music, guitarras bem trabalhadas e um vocal feminino potente e impecável. Relaxante, hipnótico e contagiante, traz elementos do lo-fi e aquela sensação nostálgica que só a música com influências californianas proporciona. Além dessa (incrível) versão ao vivo de "The Agency Group", não deixe de ouvir "Adult Diversion":   2. Springtime Carnivore A aconchegante mistura de um indie pop menos comercial, com rock e elementos psicodélicos representa um novo começo para a vocalista Greta Morgan. Ela já atuou em outros dois projetos musicais com a mesma pegada ensolarada, o The Hush Sound e o Gold Motel, mas foi com a banda Springtime Carnivore que Morgan fez um som com a sua cara. Os vocais e a maior parte instrumental do disco foi gravado por ela. Depois foi só largar as faixas sensíveis e bem construídas na internet e o sucesso foi garantido.   3. Cathedrals Um duo de electro pop que curte reunir música e artes visuais para criar uma experiência sensorial e múltipla. Esse é a Cathedrals: banda californiana de San Francisco formada pela cantora Brodie Jenkins e o multi-instrumentalista Johnny Hwin. Batidas e melodias calminhas e um vocal surpreendente. Com novas faixas e videoclipes surgindo no horizonte, essa é certamente uma banda pra você prestar atenção.   4. La Luz Surf music psicodélico e feito só por mulheres: como não amar? Seria uma banda-irmã da nossa xodó "As Aventuras", grupo de meninas que tocou na feira Sabiá de design e alimentação ecológica? Com referências retrô e uma vibe alegre e cativante, La Luz surgiu em Seattle e atualmente faz turnês pelos Estados Unidos e brinda as plateia com shows que tratam acima de tudo de conexão. Colocam todo mundo pra dançar e se divertir junto.   5. Ibeyi: As gêmeas que impressionaram todo o mundo. Lisa Kainde e Naomi Díaz são filhas do lendário percussionista Anga Díaz do Buena Vista Social Club e reúnem referências cubanas, venezuelanas, cantam em iorubá e inglês e criam um sutil e delicado painel da música contemporânea. Quando se apresentam ao vivo surpreendem com um vocal marcante, uma boa interação com o público, que dança e bate palmas, e faixas tropicais, mas acinzentadas e profundas.   Continue lendo

5 artistas brasileiros da nova geração que o mundo merece conhecer

5 artistas brasileiros da nova geração que o mundo merece conhecer
Sorte a nossa: vivemos em um país múltiplo ao extremo quando o assunto é arte. Ainda mais quando se trata de música. A infinidade de ritmos, estilos e raízes que desenha os quatro cantos do país vira referência e encanta qualquer um. O resultado é um som tão único que merece chegar aos ouvidos do mundo! A recente viagem da Insecta para o festival de SXSW 2015 em Austin era a inspiração que faltava: selecionamos os artistas da nova geração que fazem música boa, ímpar, a cara da Insecta Shoes e que os gringos (e você) precisam conhecer. Pra acompanhar, escuta só a playlist que criamos exclusivamente para o evento. Tem todos esses artistas e também toda a tropicalência dos clássicos da MPB: PLAY Curumin Curumim é uma palavra tupiniquim que significa criança. Já Curumin, com “n”, vira o codinome do músico, compositor e produtor de São Paulo que é descendente de japoneses e espanhóis. Luciano Nakata faz um som que, assim como a palavra tupi, tem a raiz brasileira, mas contextualiza e mistura ritmos e influências. Soul, funk e samba: tudo reunido de forma impecável e em faixas viciantes. Metá Metá Funk, soul e o batuque ímpar do afrobeat junto com o swing do autêntico samba brasileiro. Esse é o som do Metá Metá. Uma obra musical feita pela voz marcante de Juçara Marçal, pelo violão de Kiko Dinucci e o sax sútil de Thiago França. O trio também já fez parcerias incríveis, como a faixa “Alakorô” , composta ao lado do mestre nigeriano,Tony Allen. Metá-Metá1 Bixiga 70 É impossível ficar parado ouvindo Bixiga 70. O coletivo paulistano faz um som instrumental que atravessa a década 70, reúne arranjos de jazz, batidas africanas e melodias super dançantes. Com um pé bem firme no Brasil, a música do grupo traz Gilberto Gil e Chico Science entre suas referências sonoras, sem esquecer da herança africana de Fela Kuti. bixiga_701 Russo Passapusso Um nome pra não esquecer. O cantor e compositor baiano já fazia apresentações explosivas com os grupos do qual fez parte: Baiana System, Bemba Trio e Ministereo Público. Quando iniciou sua carreira solo, decolou: reuniu pitadas de Novos Baianos, rock dos anos 70, soul, samba, rap, dub e letras densas e autobiográficas. Tudo ao mesmo tempo e com uma harmonia inigualável. Anelis Assumpção Liberdade talvez seja uma boa palavra para definir a música de Anelis Assumpção. Ao mesclar diferentes estilos, como reggae, ska, rap, soul e afrobeat, cria uma atmosfera de pura calmaria. Sem esquecer da produção única por trás de suas faixas: a do seu pai. Filha de Itamar Assumpção, instrumentista e produtor que se destacou na cena independente de São Paulo, Anelis mergulha de corpo e alma no que faz. Anelis-3 Continue lendo

DANDO O PLAY: 5 ARTISTAS VEGANOS QUE FAZEM MÚSICA BOA

DANDO O PLAY: 5 ARTISTAS VEGANOS QUE FAZEM MÚSICA BOA

A música mantém uma relação estreita com ideologias e extremos no que se refere a estilos de vida. E faz tempo. O Veganismo é um exemplo: desde a década de 60 muitas personalidades desse campo artístico resolveram levantar a bandeira da causa e deixar de consumir qualquer alimento de origem animal. A melhor parte dessa história é que muitos desses artistas são responsáveis por faixas incríveis e que combinam direitinho com a trilha sonora dos besouros da Insecta! Resolvemos listar 5 pra você ouvir, se inspirar e conhecer:

Erykah-Badu1 Erykah Badu:

Dois “ismos” vem à cabeça quando se fala em Erykah Badu: “Buduizm” e veganismo. O primeiro se refere ao seu trabalho como cantora e é o porquê de ela ter se tornado uma das principais referências dentro do neo soul. Com a produção assinada por gigantes como The Roots, James Poyser e Madukwu Chinwah, o álbum foi um verdadeiro marco para o estilo, na época ainda emergente. Além disso, Erykah é vegana e dona de citações inspiradoras sobre a causa. “Comida vegana é a comida da alma em sua forma mais pura”, disse ela certa vez.

Soko: Como não amar Soko? Além de ser a cantora de lo-fi indie francesa-que-virou-californiana mais fofa de todas, ela é TÃO vegan que já teve até um blog para filosofar sobre o assunto. O “My So-Called Vegan Life”era feito em parceira com a sua amiga, Aska, que também é musicista e morava em Los Angeles, cidade que as duas apelidaram de “Vegan Heaven”. O blog é antigo, mas é incrível encontrar as receitas deliciosas que as duas compartilhavam, as dicas e as histórias do tipo “Janta em Nova York com Kate Nash e Nick Zinner”. Muito amor!    Fiona Apple: Faz muito sentido. Fiona é aquela cantora que já derreteu nossos corações em 2012 quando escreveu cartas à mão para se desculpar com seus fãs por cancelar a tour para ficar ao lado da sua cachorra Janet que estava doente.  Vegana declarada, ela também participou de um projeto incrível ao lado da rede de restaurantes “Chipotle” para o vídeo de lançamento do jogo “The Scarecrow”. A música que ambienta a história do espantalho que descobre o que acontece por trás da produção industrial de alimentos é um cover dela de uma música da trilha de “A Fantástica Fábrica de Chocolate”. Tão inspirador que vale o play:   Jason Mraz 4 fatos incríveis: Jason Mraz tem uma voz linda. 2. Ele mora em uma fazenda que produz 14,000 kg de abacates por ano. 3. Ele cultiva “Microgreens”, aquelas mini hortinhas de legumes e ervas aromáticas, no ônibus da turnê toda vez que viaja para se apresentar por aí. E 4. Ele é vegano também. Demais, né?    Moby: Moby é o artista que comprovou que um computador também tem alma e pode fazer música MUITO boa. Foi um dos primeiros caras a ganhar notoriedade ao brincar com samples: armazenar pequenos trechos de faixas e resignificá-los, criando novos sons ao misturá-los. Resgatou vozes antigas do blues, uniu com grooves sensacionais e assim criou álbuns marcantes. E, pouca gente sabe disso, mas ele também é vegan. Antes de se tornar o músico que é hoje, Moby participou de uma banda de rock chamada “Vatican Commandos” que surgiu da mesma cena musical que produziu o clipe que virou ícone da causa vegetariana e vegana: o “No More” da banda de hardcore Youth of Today.     Continue lendo

Dando o play: Jungle

Dando o play: Jungle
Jungle é aquele tipo de banda que te conquista logo de cara. Música boa, identidade visual bonita, vídeo-clipes virais. Chamaram a atenção no último ano com o lançamento de singles e de vídeos que escondiam a verdadeira identidade dos integrantes da banda. Eles continuam confundindo a geral nas fotos de divulgação, concedendo raras entrevistas e mantendo algum sempre um enigma em torno deles. Mas depois de tocarem no SXSW e no Glastonbury a galera finalmente teve certeza que, pelo menos, a banda é composta por 7 londrinos. A sonoridade do Jungle é hipnotizante. Combinam elementos do funk dos anos 70 com beats modernos. Os vocais suaves também apontam que essa é a sua próxima banda favorita. A big band lançou oficialmente o debut pela gravadora XL Recordings, a mesma da M.I.A, The xx e Radiohead. Sugestão de consumo: Ao acordar, curtindo o som enquanto prepara a vida para enfrentar a rotina ou on the road escutando a todo volume cantando com os olhinhos fechados <3 Jungle no Glastonbury Canal no Youtube   Post por: Bananas Music Branding. Identidade sonora para marcas. Continue lendo
x