Sucesso no veganismo: a saga das proteínas completas

Seta Fina Esquerda ícone
Sucesso no veganismo: a saga das proteínas completas
Proteína: velho assunto para os veganos. Alguns carnívoros nem pensam muito nisso pois acham que basta se entupirem de carne e tá tudo ótimo. Aí você se torna vegano e de repente vira a  pergunta básica em qualquer festinha, jantar e por aí vai. E haja paciência! Mas naqueles momentos mais difíceis, lembremos que possivelmente um dia já foi nosso caso. E então os veganos precisam explicar que vegetais, legumes, grãos e sementes também tem  proteína (por alguma razão a maioria das pessoas pensa que só há proteína em carne). Então  pronto, é fácil virar vegano. Mas será que todo mundo se atenta à importancia das proteínas   completas? Ao papel dos aminoácidos? Por isso quis estudar nutrição: pelos detalhes. Ahh, os detalhes (que são muitos e importantíssimos  para garantir uma vida saudável – seja você vegano ou não). A proteína é basicamente uma combinação perfeita de aminoácidos. Nosso organismo – um micro   cosmos em si – é sensacional e vai fazendo milhares de combinações entre os aminoácidos para que   as proteínas sejam formadas e possam ser utilizadas para inúmeras funções como crescimento,  reparo de tecidos além da fabricação de hormônios, enzimas, anticorpos, neurotransmissores e  transporte de outras substâncias necessárias ao nosso funcionamento. Basicamente precisamos de  proteína para tudo! Os aminoácidos são então os tijolinhos usados na construção de cada tipo de proteína. Não vou me  aprofundar muito nas tecnicalidades dos aminoácidos em si mas precisamos saber que há 9 que são  essenciais (coloquei a listinha no fim do post). O termo essencial é usado porque nosso corpo não consegue fabricá-los, ou seja, dependemos da alimentação para consegui-los. Então o foco aqui são os tais aminoácidos essenciais, que formam o pilar da polêmica da proteína na  alimentação vegana e muitos que aderem acabam desistindo pois se sentem fracos depois de um tempo por não se atentarem a este detalhe já que em termos de quantidade temos inúmeros  estudos que comprovam que se você possui alimentação balanceada, não vai ter faltar proteína. Mas nosso organismo precisa de todos os aminoácidos para fabricar as proteínas. Se estivermos  deficientes em um ou outro, a coisa toda já começa a ir por água a baixo e as consequências são  desastrosas. Aí é que entra o conceito da proteína completa, que é mais facilmente ingerida quando  carnes são consumidas pois afinal o animal já fez o trabalho da combinação dos aminoácidos mas acredite, se eles conseguem, nós sem dúvida também conseguimos. Hoje já é conhecido que o organismo consegue manter certa reserva de aminoácidos para que em  breve sejam combinados entre si. Mas o ideal é consumir boa variedade deles num período   aproximado de até 48 horas já que nosso organismo está constantemente em ritmo de produção e precisa de abastecimento regular. Então, se a pessoa se alimenta sempre das mesmas coisas e ainda por cima possui uma dieta rica em carboidratos simples e gorduras de baixa qualidade vai acabar se  sentindo fraca mesmo e, muitas vezes, acaba voltando para o consumo de carne por falta de   conhecimento. Mas já digo aqui, não é tão difícil quanto parece e o melhor de tudo: existem opções que já contêm  o combo da proteína completa. Um belíssimo exemplo é a QUINOA que não à toa que é consumida  pelos “vizinhos” incas e astecas há 5 mil anos e sua reputação lhe faz jus pois contém todos os  aminoácidos essenciais em cada garfada. Além disso não traz consigo as gorduras saturadas que a   carne contém (muitos tipos de carne na realidade chegam a oferecer apenas 25% de proteína e 75%   de gordura). Sem mencionar os hormônios, antibióticos e as diversas doenças. Muito pelo contrário,   a quinoa além de ser uma fonte de proteína superior (melhor nível de absorção) à da carne, te   fornece ainda gorduras boas e essenciais, vitaminas e minerais. Embora a quinoa seja muitas vezes classificada como um grão, é na realidade uma semente. Outras  sementes que fornecem os aminoácidos essenciais incluem as de chia e cânhamo (hemp) além de   outras opções como soja (orgânica please), goji berries, trigo-sarracena (ou mourisco), spirulina   entre outras. quinoa Mas aí muita gente pensa: só quem tem grana é que pode ser vegano saudável então? Pois eu sei que os preços destes alimentos no Brasil não são muito amigáveis ao bolso (embora ainda tenho esperança de que com crescente demanda, a situação mude gradativamente). Aí é que vai entrar a criatividade já que o grande lance está em combinar os alimentos que são ricos em determinados aminoácidos essenciais com outros. Uma combinação clássica (mera coincidência!?) é o tipico arroz (integral ou selvagem de preferência) e feijão que se complementam formando proteínas completas! Mas você pode brincar com as combinações e variar para não enjoar além de não se limitar a certos nutrientes. grains Feijão (variar os tipos também é uma boa) com: - Arroz integral - Sementes - Nozes, castanhas, amendoas, avelãs, macadâmias etc - Grãos - Milho Arroz Integral com: - Feijão - Ervilhas - Sementes - Nozes, castanhas, amendoas, avelãs, macadâmias etc Outros grãos com: - Ervilhas - Amendoim - Legumes - Folhas verde escuras (como o espinafre que é uma ótima fonte de diversos aminoácidos) Ou seja, o segredo é alternar e se divertir! E para os dias que exigirem maior praticidade, apele para as opções mencionadas antes que já contêm o quadro completo. Fazendo essas combinações e sabendo os alimentos que te fornecem mais aminoácidos, certamente você vai se sentir forte e disposto, além de alcalinizar seu organismo bem como evitar as tais gorduras malévolas.   *Lista dos aminoácidos essenciais: - Lisina - Leucina - Isoleucina - Metionina - Fenilalanina - Treonina - Triptofano - Valina - Histidina Viva a saúde! :)  

Comentários sobre esta postagem (1)

  • nov. 19, 2019

    Olá, ficou um pouco confusa a combinação das proteínas vegetais. Teria como elucidar e exemplificar melhor?

    — Mateus

Deixe um comentário

x