Quem vê cara, pode estar não vendo nutrição

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
Quem vê cara, pode estar não vendo nutrição

Quem nunca deixou de lado um hortifrúti amassado, manchado ou com alterações estéticas? Sabe-se lá se é vício que a cultura do agrotóxico plantou, mas a verdade é que alimentos naturais de aparência “imperfeita” acabam descartados mesmo em iniciativas sustentáveis, perdendo espaço para os mais bonitos e afetando não apenas a cadeia produtiva, como o bolso de todo mundo.

O desperdício impressiona: segundo a ONU, chega a 1/3 de tudo o que é produzido no mundo. No Brasil, conforme o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), 29 milhões de toneladas de frutas e legumes são descartadas por ano – e uma das principais causas é a “inconformidade”.

Conforme a Associação Brasileira dos Supermercados (Abras), o valor perdido anualmente com alimentos que não conquistaram o consumidor chega a R$ 7,1 bilhões. Gente, isso equivale ao custo de mais de 15 mil cestas básicas!

E desprezar comida também significa desperdício de recursos (água, terra, trabalho humano etc.), além de impacto ambiental: alimentos descartados respondem por 8% das emissões de gases que causam o efeito estufa.

Como faz?

Ainda temos muito chão pela frente para mudar o mindset, mas atitudes pioneiras já inspiram e ajudam a conscientizar. As iniciativas envolvem desde conexão entre fornecedores e quem precisa de doações até venda ao cliente final – e o melhor: com preços menores. Graças a elas, vegetais renegados ganham uma segunda chance de mostrar que também podem ser deliciosos e surpreendentes, evitando que o visual os destine ao lixo.

A gente separou algumas empresas que promovem consumo e distribuição de hortaliças que, apesar da aparência, valem a pena:

Fruta Imperfeita: Delivery em SP de cestas de produtos que costumam sofrer bullying no mercado. Funciona há quatro anos, por assinatura mensal.

Comida Invisível: Plataforma que atua como ponte direta entre restaurantes, supermercados, hotéis e bares com Pessoas Físicas e o Terceiro Setor, para facilitar a doação de alimentos menos valiosos para o comércio, porém próprios para o consumo.

Conhece mais alguma? Conta pra gente que vai ser um prazer incluir na lista!

Deixe um comentário

x