Seu Carrinho
Fechar alternativas ícone
Frete Ok

Por que ser vegano – Parte 2

Seta Fina Esquerda ícone
Por que ser vegano – Parte 2
No mês passado, nós iniciamos nossa série de posts “por que ser vegan?". Começamos falando sobre o meio ambiente e os impactos que o consumo de produtos de origem animal, principalmente na alimentação e na moda, causam no planeta em que vivemos e atinge direta e indiretamente nós, os seres humanos. Agora chegou a vez de falarmos por que ser vegan pela sua saúde. Um assunto um pouco mais complexo e intangível, já que a nutrição humana e questões de saúde ainda não atingiram verdades absolutas. Porém, há pesquisas, estudos e profissionais especializados que já concordaram que uma alimentação baseada em frutas e vegetais é a solução para diversos problemas de saúde. Prova disso é o novo Guia Alimentar Para A População Brasileira, atualizado em novembro de 2014. Esse novo guia não só reconhece a alimentação vegetariana, como também alerta para o consumo de produtos de origem animal: “alimentos de origem animal são boas fontes de proteínas e da maioria das vitaminas e minerais de que necessitamos, mas não contêm fibra e podem apresentar elevada quantidade de calorias por grama e teor excessivo de gorduras não saudáveis (chamadas gorduras saturadas), características que podem favorecer o risco de obesidade, de doenças do coração e de outras doenças crônicas.” with f2 preset Porém, apesar do guia servir como base para diversos profissionais da saúde e alertar para os danos que o consumo de alimentos de origem animal causam não só para a saúde como também para o meio ambiente, e isso já ser um enorme passo para informar sobre as problemáticas do consumo desses produtos, ele deixa algumas brechas. Por exemplo, ao colocar o leite como uma boa fonte de cálcio ele ignora estudos atuais que provam que, principalmente para as mulheres, o leite não é uma boa opção e causa mais problemas do que benefícios. Isso sem contar a falta de menção à intolerância à lactose, que já atinge 70% dos brasileiros, sem que muitos nem se deem conta disso. Mas por que então, apesar de todas essas questões, médicos indicam o consumo de leite e proteínas de origem animal sem nenhum ressalvo? Há um tempo, nós conversamos com a nutricionista pós-graduada em nutrição funcional e membro do The Institute for Functional Medicine (IFM), Paula Gandin, que nos explicou um pouco sobre os motivos: “Apesar de estarmos na mesma árvore da saúde, a nutrição busca achar a causa do problema, considerando que a base da alimentação está, na maioria das vezes, ligada ao tipo de alimentação do paciente. Porém, alguns pontos da medicina ficam focados apenas em tratar os sintomas e, por isso, não veem a nutrição como algo válido de pesquisas e estudos aprofundados”, explica ela. Além dessa falta de interesse da própria medicina para com a nossa alimentação, a indústria alimentícia tem passe livre para escrever o que quiser nas embalagens dos produtos que vende de acordo com seus próprios interesses, o que atrapalha ainda mais a verdade sobre os alimentos que consumimos de chegar até nós. A nossa grande vantagem é que podemos aproveitar a era da informação e entender um pouco mais sobre como nossa alimentação afeta nossa saúde, sempre questionando conceitos antigos e pouco estudados, sem depender só de um médico ou do que lemos na caixinha do iogurte. A dica é acompanhar profissionais especializados e que dedicam a vida a entender como a alimentação afeta nosso saúde, como a própria Paula Gandin ou a americana Kimberly Snyder. Outra opção simples para se informar sobre isso é através de dicas diárias no Instagram com a Alana Rox, mais conhecida como The Veggie Voice, que mostra como a alimentação vegetariana, além de saudável, é prática e deliciosa. Processed with VSCOcam with f2 preset Vamos entender mais um pouco sobre a importância de saber o que a comida que ingerimos realmente faz no nosso corpo e como ela afeta nossa saúde?  

Deixe um comentário

x