Fechar ícone

O que conforto e sustentabilidade têm em comum?

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
O que conforto e sustentabilidade têm em comum?

Acreditamos que uma coisa leva à outra naturalmente. Afinal, quanto maior o conforto de alguma coisa, mais você tem vontade de usar e por muito mais tempo, né?

Quando pensamos em descarte de roupas, são vários os fatores que levam alguém a desistir ou deixar de usar uma peça. Pode ser que ela deixe de servir porque a pessoa mudou de numeração, ou a peça era um modismo passageiro que não faz mais sentido, foi uma compra por impulso e não combina com o resto do guarda roupas, a pessoa não consegue usar com outras peças, não tem ocasião de uso, a roupa estragou rapidamente e vááários outros motivos baseados principalmente no consumo excessivo.

Mas quando o assunto é calçado, a coisa é bem diferente. Primeiro, porque mesmo existindo aqueles que colecionam vários pares, esse número de pessoas é menor do que as que possuem um guarda roupas repleto de peças sem uso. Os sapatos têm um preço médio maior do que peças de roupa, em geral, além de ocuparem mais espaço. 

Segundo, não é tão comum uma pessoa adulta mudar de numeração de calçado. O tamanho do pé é muito mais constante do que o tamanho da calça, por exemplo. Pode acontecer com quem tem uma grande oscilação no peso, ou durante a gestação, mas mesmo assim não é uma regra. “Perder” uma blusinha depois de uma mudança no peso é muito mais comum do que perder um sapato, né?

O principal motivo de um sapato ir parar no esquecimento do fundo do armário ou ser descartado é justamente o seu conforto. Se apertou o pé no primeiro uso, é difícil que ganhe uma segunda chance. Se machucou o pé então… vai ser complicado confiar nele novamente, e por esse problema de confiança muitos sapatos vão para o lixo diariamente no mundo todo. 

Segundo a Associação Portuguesa de Calçados, a produção calçadista aumentou em 21.2% na última década. E justamente antes do início da pandemia (que trouxe uma redução no consumo e produção), a indústria havia estabelecido um novo recorde de produção: em 2019 foram produzidos 24.3 bilhões de pares de sapatos no mundo. 

Segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos de Calçados (Ablac), foram comercializados no Brasil, somente em 2017, 972,6 milhões de pares de tênis, sapatos e afins. Um relatório do IEMI divulgou o número de 839 milhões de pares de calçados consumidos no varejo em 2019 - lembrando que a população estimada do Brasil é de 213,3 milhões de habitantes, haja pé! 


O problema do calçado desconfortável

Imagine tudo isso de sapato sendo produzido e indo para as lojas, mas com pouca atenção a questões como conforto. O calçado que aperta e machuca é ruim para quem usa, claro, mas também pode ser muito ruim para o planeta se ele for parar no lixo. Há estimativas de que cerca de 300 milhões de pares de calçados são descartados todos os anos. Como a gente sabe, eles vão para o lixo comum, o que significa que tudo isso vai para os aterros.

Só no Brasil, estima-se que são geradas 170 mil toneladas de resíduos têxteis por ano, sendo que 80% delas vão parar em aterros. A decomposição dos tecidos é um processo que pode levar até centenas de anos, dependendo do que eles são feitos. 

Muitos sapatos contém na sua composição materiais como PVC, couro, plástico e vários componentes internos, como colas, entretelas e aviamentos que podem levar décadas para se decompor. Assim, eles lotam os aterros e ainda podem contaminar o solo com alguns dos componentes, como o couro, que é amaciado com cromo, substância tóxica e altamente contaminante.  

Tá vendo todo o impacto que um sapato desconfortável pode causar? 

 

A salvação está no conforto 

Ainda nem falamos na influência dos sapatos na saúde do nosso corpo! Sapatos desconfortáveis, que não são flexíveis nem macios, são os responsáveis por vários problemas de saúde, alterando o bem estar e até o humor de quem os usa. 

Os ortopedistas afirmam que a maior parte das lesões dos pés está associada ao uso incorreto dos calçados, que podem causar calos, bolhas e problemas sérios como neuromas, fascite plantar, metatarsalgia, dores na coluna, nas articulações nos tornozelos e joelhos. E a lista é longa. 

E isso tudo pode ser evitado prestando atenção no conforto quando o assunto é sapato. E para a sua sorte, disso a gente entende!

O que conforto e sustentabilidade têm em comum?

 

+ Conforto = Maior tempo de uso = Mais sustentável

A equação é bem simples: quanto mais confortável for o sapato, mais vezes você vai querer usar. O sapato queridinho, aquele que você calça sem nem pensar, é provavelmente o que abraça o seu pé e você até esquece que está usando - até alguém elogiar ;)

Sabe aquela frase famosa que diz que a roupa mais sustentável é a que você já tem? Isso pode valer também para os sapatos, se você pensar pelo ponto de vista do prolongamento do uso. Quanto mais você usar um sapato, menos produtos novos você vai precisar comprar, e isso vai fazer que ele seja muito mais sustentável para o planeta e para a sua saúde.

Mas tudo bem, a gente sabe que até o sapato mais confortável do mundo pode chegar ao fim, principalmente depois de anos e anos sendo usado com muito amor. Quando chegar esse momento, não esqueça que você pode mandar para nós e fechar o ciclo, sem gerar lixo. É sobre os seus pés, mas também é consciência coletiva. ♡

Deixe um comentário