Seu Carrinho
Fechar alternativas ícone
Frete Ok

Mulheres que Inspiram: Natália Pietzsch

Seta Fina Esquerda ícone
Mulheres que Inspiram: Natália Pietzsch
A sexta entrevista do Mulheres que Inspiram pro Insecta é sobre uma iniciativa que quer mudar o mundo: a Re-ciclo, da engenheira ambiental Natália Pietzsch, vem mudando o destino do resíduo orgânico em Porto Alegre. Uma ideia transformadora que tem como desejo criar uma sociedade mais equilibrada e sustentável.   - Me conta um pouquinho sobre você! Onde nasceu e cresceu? Quais são as suas melhores lembranças de infância? Meu nome é Natália Pietzsch. Sou natural de Porto Alegre e sempre morei aqui. Minhas melhores lembranças da infância me remetem a parques e teatros. Meu pai me levava para o Parcão ou para o Marinha para andar de bicicleta, roller e brincar, ou me levava a apresentações de teatros infantis ou cinemas. Eu tive muitos primos, então uma das lembranças que eu tenho é estar sempre por perto de algum deles, aprontado. Eu era muito espoleta. Minha mãe me conta que eu queria trabalhar no Green Peace quando criança, ajudando o planeta e os animais, e que também queria ser professora. Hoje, quando olho o que venho traçando para minha vida, vejo como esses sonhos de criança se concretizaram, parte por ter fundado a Re-ciclo, que tem por principal objetivo contribuir para uma sociedade mais sustentável, e parte por ter dado aulas no mestrado e realizar as oficinas que a Re-ciclo oferece. - Qual a sua formação? Já passou pelo mundo corporativo? Entrei na faculdade de Engenharia Ambiental da UFRGS em 2007. Como eu gosto muito de estar sempre em movimento, colocando em prática tudo que aprendo, a partir do 4º semestre na faculdade eu comecei a fazer estágios, bolsas de iniciação científica e voluntariados. No final da faculdade, decidi trancar um semestre para fazer dois intercâmbios pela AIESEC. Primeiro fui para Camarões trabalhar por 2 meses em uma consultoria ambiental local e depois fui direto para Itália, ensinar inglês e temas relacionados a sustentabilidade para jovens do ensino médio. Foram duas experiências completamente diferentes que me ensinaram a valorizar muito o país que vivo e as coisas simples da vida. Quando eu voltei, comecei a atuar como consultora ambiental em projetos de licenciamento, planos de saneamento para municípios e tudo mais que estivesse relacionado a resíduos sólidos, que é a minha paixão desde a faculdade. Antes de me formar eu já havia sido aprovada para o mestrado da Engenharia de Produção. Escolhi como tema da minha dissertação a filosofia Lixo Zero, que incentiva ao máximo a redução na geração de resíduos e o total reaproveitamento e reciclagem dos resíduos. Segundo esta filosofia, menos de 10% dos resíduos deveriam ser descartados, todo o restante teria valor para ser reciclado. Infelizmente, hoje vemos o contrário acontecendo: 10% do material sendo reciclado e 90% sendo encaminhado para aterros sanitários. DSC_1803   - O que é a Re-Ciclo? Quando e como surgiu essa ideia? Qual foi a sua maior inquietação pra dar início a essa iniciativa? Quando terminei o mestrado estava muito inquieta, querendo aplicar na prática o resultado de dois anos de pesquisa e aliar à isso a vontade de contribuir para uma sociedade mais equilibrada e sustentável. Foi aí que comecei a pesquisar modelos de negócios, viáveis técnica e economicamente, para colocar em prática na minha cidade. Descobri que estados como RJ, MS e SC vinham implementando, através de iniciativas privadas, modelos de gestão de resíduos orgânicos de casas e condomínios e, em março deste ano, fui visitar algumas destas. Foi paixão à primeira vista e a ideia não saiu mais da minha cabeça. Todo o resíduo orgânico gerado nas casas e condomínios do município de Porto Alegre vão direto para um Aterro Sanitário, localizado há 120Km de distância da capital. É um desperdício de dinheiro público, de matéria prima rica para adubação de hortas, parques, jardins e, ainda por cima, gera diversos danos ao meio ambiente como poluição atmosférica e superlotação de aterros sanitários e geração de gás metano – gerador do efeito estufa. A Re-ciclo surgiu do grande desconforto gerado por essa situação e da vontade de mudar essa realidade, sem esperar a ação de órgão públicos ou outras iniciativas. Junto com mais dois sócios, Filipe de Ávila Soares e Thiago de Melo Rocha, realizamos a coleta dos resíduos orgânicos (cascas de frutas, legumes, borra de café, e outros) de casas e condomínios e transformamos esse material, que era antes considerado “lixo”, em adubo para ser utilizado em hortas e jardinagem. Temos como desejo fechar o ciclo da matéria orgânica. Ou seja, após o consumo dos alimentos, as sobras de alimentos são transformadas em composto orgânico que é utilizado em hortas para produção de alimentos que serão comercializados e consumidos, gerando mais resíduos orgânicos que serão compostados, reiniciando o ciclo NATURAL dos alimentos, que a Re-ciclo tem por objetivo reintroduzir no nosso dia-a-dia. DSC_1526 - Por enquanto só funciona em Porto Alegre? A Re-ciclo atua apenas em Porto Alegre, por enquanto. Temos muito desejo de expandir nossas atividades para outros lugares, pois nosso desejo é que todas as pessoas tenham o poder de escolha de dar uma destinação mais adequada para seu resíduo orgânico.   - Quais são seus planos e sonhos para a Re-Ciclo? São tantos... Ideias nunca faltam! Temos desejo de introduzir hortas comunitárias e composteiras em diversos terrenos na cidade, propiciando maior sensibilização ambiental para os moradores, maior contato e aproximação com a natureza e o contato com a terra – que no meio urbano são raros – e ocupando áreas que antes era marginalizadas, dando mais vida a esses locais. Esse sonho já está virando realidade e em breve teremos novidades. Queremos expandir as oficinas, que a Re-ciclo já vem realizando, para quebrar essa visão de que o “lixo” não tem valor e, desta forma, capacitar as pessoas para fazerem sua própria composteira ou optar por uma coleta adequada para seu resíduo. Queremos ainda viabilizar esse serviço para a cidade inteira, já que hoje alguns bairros ainda não são atendidos, gerando emprego, renda, capacitação e inclusão para jovens profissionais. DSC_1633 Nosso sonho grande é ter uma Re-ciclo em cada cidade! E isso é possível. Um mundo melhor é possível, começando por cada um de nós. Tenho certeza que a Re-ciclo alcançará cada um desses sonhos e geraremos muitos impactos positivos.  

Deixe um comentário

x