Em meio à pandemia, adoção de pets aumenta e a gente comemora!

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
Em meio à pandemia, adoção de pets aumenta e a gente comemora!

Alguém querendo boas notícias na pandemia? Temos uma excelente! A busca por adoção de pets no Brasil aumentou muito nos últimos três meses, o que é ótimo para aliviar a superlotação de abrigos e para ajudar na saúde mental dos humanos, que têm enfrentado um dos piores cenários psicológicos dos últimos tempos.

Apesar de não haver um número oficial, os relatos de ONGs protetoras sobre crescimento nas adoções variam entre 50% e 200% de março até o início de junho, confirmando que o brasileiro – ao que parece – está mais consciente não apenas da alegria que é ter um bichinho em casa, como de que vidas não devem ser compradas.

Em um contexto de quase 3,9 milhões de animais em condições de vulnerabilidade no país (levantamento do Instituto Pet Brasil), acompanhar essa tendência é animador. Até porque, mesmo na quarentena, seguem as denúncias de comércio ilegal – uma indústria cruel que, pautada por modismos e dinheiro, trata seres vivos como produtos e matrizes, desconsiderando cuidados com saúde e qualidade de vida e, muitas vezes, provocando sofrimento e morte dos “exemplares”.

A cada canil clandestino desativado, são mais e mais cenas chocantes de animais confinados, desnutridos, vivendo em ambientes imundos e sem qualquer assistência. Chegamos a falar sobre isso em outro texto, alertando que o problema seguirá existindo enquanto houver demanda.

Mas, como a intenção desse post é falar de coisa boa, vamos celebrar a mudança de mentalidade sobre a escolha de um animal de estimação. Afinal, eles são companheiros, fieis e amorosos, e decidir assumir seres tão leais envolve compromisso e a consciência de que não estamos olhando para  um objeto – e sim uma vidinha fofa que vai depender da gente por anos.

Vale lembrar que não são apenas os humanos que proporcionam segurança, saúde e felicidade aos mascotes. Os peludos são excelentes aliados para melhorar sintomas de ansiedade e depressão, e várias pesquisas mostram que a convivência com eles aumenta a concentração de serotonina, conhecida como hormônio da felicidade, no sangue – reflitam sobre esses benefícios em tempos de estresse crônico, potencializado pelo confinamento.

Se você tem um pet em casa, sabe bem do que estamos falando, né? Se ainda não tem, esta pode ser uma oportunidade de adaptação, pois mais tempo em casa pode significar mais disposição para uma relação de confiança e respeito. Aliás, segundo uma pesquisa feita pelo Instituto Qualibest, 40% dos tutores brasileiros de cães já tinham vira-latas em fevereiro, enquanto, entre os donos de felinos, esse índice subiu para 66%, e 30% dos entrevistados que ainda não tinham um amigo de quatro patas afirmaram que pretendiam ter um futuramente.

Se você chegou a esse futuro, um alerta: tenha a disponibilidade de, reduzido ou terminado o isolamento, reajustar rotinas sem traumas pra ninguém. Com essa compreensão, só temos a comemorar, em nome dos bichinhos e das pessoas!

Deixe um comentário

x