Seu Carrinho
Fechar alternativas ícone
Frete Ok

Eco-Gentrificação: viver mais verde está ficando inacessível?

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
Eco-Gentrificação: viver mais verde está ficando inacessível?

Lembra quando existia um estereótipo do “ecologista” - aquela pessoa super engajada, ativista, que põe a mão na massa e vive com poucos luxos? Em algum momento, não se sabe quando, rolou uma metamorfose radical e essa pessoa se tornou um ser inatingível, com uma vida perfeita e feed de Instagram irretocável.

Que fim levou aquela vida verde raiz? De uma hora pra outra parece que é preciso ter todos os produtinhos da moda (ao invés de reusar o que você já tem), comer e comprar em lugares caros (ao invés de aprender receitas e fazer mais visitas ao mercadinho do seu bairro).

Essa blogueira que fala sobre maternidade e sustentabilidade fala das icônicas jarras de lixo da galera do lixo zero: “Quando eu leio alguns blogs de lixo zero, tenho a nítida sensação de que eu deveria desistir. Quando uma pessoa tenta me inspirar mostrando uma jarra com um ano de lixo, estou pronta para desistir antes mesmo de começar. Isso está tão longe da minha realidade que me desencoraja até mesmo de considerar o objetivo”.

Ou seja, quando é tudo ou nada, se você não está acabando com todo o seu lixo, 100%, parece que é melhor nem tentar. E quem tem filhos sabe que viver completamente sem lixo é um desafio longe de ser alcançado. Vamos pensar aqui: por que a sustentabilidade seria sinônimo de riqueza quando as camadas mais pobres da sociedade sofrem mais com os impactos das mudanças climáticas? Essas pessoas deveriam ter tanto acesso a um estilo de vida mais sustentável quanto qualquer outra.

Parece que a vida mais verde se tornou algo mais “ego” do que “eco”. Uma provocação nesse sentido saiu desse post aquique fala sobre o estilo de vida eco-friendly estar sendo esvaziado e elitizado. Dê uma volta pelos bairros mais hypados da cidade e você verá áreas verdes, hortas, bicicletários, restaurantes orgânicos e um mundo lindo e limpo. Mas a poucos metros você poderá encontrar uma comunidade esquecida, sem coleta de lixo, sem saneamento básico e sem acesso aos serviços mais indispensáveis.

Será que trazer espaços verdes para certas regiões das cidades podem acabar expulsando as pessoas que se pretende ajudar? A resposta é sim, às vezes pode. Essas melhorias tornam o bairro mais atrativo para novos empreendimentos, o que faz os preços subirem, e assim a população de renda mais baixa é obrigada a fugir por não dar mais conta do novo padrão de vida.

Isso é eco-gentrificação em poucas palavras.

Mas então trazer melhorias para a cidade é ruim? Não, se essas melhorias não forem maquiagem. Isso é um olhar limitado do que significa tornar uma cidade mais sustentável. O que torna uma cidade (ou um bairro, uma comunidade, que seja) mais sustentável é garantir a qualidade de vida e a qualidade ambiental - por exemplo, trazer o saneamento básico para um bairro carente, ou garantir a coleta seletiva de lixo. Essa seria uma “anti-gentrificação consciente”, como falam nessa matéria aqui

um bairro fofo com hortinha orgânica, mas sem separação de lixo não resolve nenhum problema

É por conta dessa maquiagem que muitos pensam que viver de forma mais responsável é mais caro. Como a gente falou aqui, não é e não deveria ser. Há um conceito errôneo por aí de que viver mais verde é sobre comprar produtos melhores, quando, na verdade, viver mais verde é sobre comprar menos e ter mais consciência. Ações que não custam nada, como se esforçar para garantir a coleta seletiva na sua casa, comer frutas e verduras da época e aproveitar os alimentos de maneira integral, por exemplo, devem ser pensamentos rotineiros de quem se preocupa com o meio ambiente.

Bom, e quando a gente fala nesse assunto, não dá pra deixar de lado o preço dos nossos sapatos. Explicamos direitinho nesse post  toda a relação dos nosso valores e fomos além nesse aqui, respondendo dúvidas que vocês tiveram.

Ainda não somos perfeitos, mas estamos (mesmo, nesse momento) pesquisando maneiras de trazer produtos mais acessíveis sem prejudicar nenhum elo da nossa cadeia de produção. Entendemos como tornando produtos sustentáveis mais acessíveis todos saem ganhando, e é isso que buscamos ;)

Começamos o post falando sobre uma nova geração que torna a sustentabilidade inacessível, mas não podemos deixar de falar das pessoas que estão aí pra ajudar a mudar essa ideia. Aqui e aqui contamos quem são essas pessoas e quais são as iniciativas que nos inspiram (vale a leitura!).

Ah, e se você vê o preço das coisas como uma barreira para veganizar de vez ou para levar uma vida mais verde, nossa dica eterna é ler esse texto que bombou e não deve parar nunca de bombar. Indicamos também o canal da Nátali Nery, sempre maravilhosa que falou nesse post sobre como ser vegana na vida real. Pra um feed vegano acessível, pode começar a seguir agorinha: @vegana.raiz , @veganoperiferico, @veganapobre e @oqueosveganoscomem_

Quer nossa ajuda? Estamos sempre disponíveis pra responder dúvidas e levar essas e outras questões mais adiante no hello@insectashoes.com

Deixe um comentário

x