Indústria da carne e COVID-19: entenda a relação

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
Indústria da carne e COVID-19: entenda a relação

Apesar de ainda ter quem ache uma postura radical, cada vez mais pessoas se dão conta de que a indústria da carne é uma das mais poluentes do mundo, consumindo água em volumes excessivos e destruindo o solo. 

Por isso, deixar de consumir produtos de origem animal é uma filosofia de vida que vai além da defesa dos direitos dos animais, demonstrando autocuidado e respeito ao meio ambiente e às próximas gerações. No post de hoje, vamos falar um pouco sobre a indústria da carne e sua relação com a COVID-19.

 

A indústria da carne e o perigo ao meio ambiente

Você já parou para pensar na relação entre indústria da carne e meio ambiente? Hoje, 75% das terras cultiváveis do planeta são usadas para pastagem e produção de ração para a pecuária. Ou seja: é muita terra que poderia estar gerando sustento e abastecimento de famílias por meio do plantio de alimentos.

A indústria da carne também é responsável pelo alto consumo de água. Para cada 1 kg de carne são utilizados de 10 a 20 mil litros. Além disso, as granjas industriais são responsáveis pela poluição da água, já que os dejetos produzidos por elas acabam indo parar no meio ambiente e, consequentemente, para a água que bebemos.

Não estamos fazendo alarde, viu? Por causa da indústria da carne no Brasil, de acordo com informações divulgadas pela ONU, mais de 80% do desmatamento entre 1990 e 2005 foi realizado para dar conta do consumo de carne. Por essas e outras, as rotinas alimentares tradicionais estão mudando — e rápido.

 

O consumo de carne durante a COVID-19

Até mesmo a pandemia de COVID-19 está relacionada à indústria de carne bovina. O modelo é tão insustentável que, não à toa, os índices de contágio em frigoríficos são superelevados, chegando a 10% do total de casos no Brasil. 

Isso acontece porque as etapas requerem o trabalho manual de muitas pessoas, que atuam ombro a ombro num esquema que é prato cheio para a contaminação. Alguns estudos, inclusive, estão analisando a possibilidade de contaminação pela própria carne crua que, se confirmados, representarão um alerta vermelho.

No entanto, esse mesmo aumento de índice de contágio em frigoríficos tem ajudado na redução do consumo de carne em escala mundial. Segundo o relatório semestral das Nações Unidas sobre o mercado global de alimentos, a queda no consumo de carne foi de 3%, número mais baixo desde o início do século.

A relação entre o vírus e a indústria da carne é tamanha que, segundo um estudo publicado pelo British Medical Journal, os adeptos à dieta vegetariana têm 73% menos chances de desenvolver um quadro grave de COVID-19.

 

Como reduzir o consumo de carne?

A indústria de carne  prejudica muito o planeta. Por isso, a busca por alternativas é fundamental, e não faltam opções saudáveis que podem colaborar. O arroz com feijão, por exemplo, pode perfeitamente substituir a quantidade de proteína animal.

Se você ainda não se vê como agente dessa mudança evolutiva, que tal usar o momento para começar a experimentar? Separamos algumas dicas para te ajudar a ter uma alimentação mais saudável e reduzir o consumo de carne.

Teste receitas novas

Que tal começar a testar receitas novas sem carne em casa? Existem tantas receitas deliciosas, práticas e baratas que colaborar com o meio ambiente pode ser um bom experimento na quarentena. Se quiser um hambúrguer, você pode fazer uma versão à base de grãos, como grão de bico e quinoa, que são supersaborosos e nutritivos.

Respeite seu tempo

Para reduzir o consumo de carne não é preciso ser radical. Comece devagar, experimentando alguns dias da semana sem carne. Você pode optar pela segunda sem carne ou deixar o consumo apenas para os finais de semana. Assim, fica muito mais fácil se adaptar a um novo estilo de vida.  

Faça substituições

Para deixar a indústria de carne de lado é preciso fazer substituições nutritivas. Por isso, a dica é contar com alimentos saudáveis, como grãos, leguminosas, folhas e cereais, que são importantes fontes de vitaminas, ferro e proteínas. 

 

Insecta: menos carne, mais saúde

Na Insecta, acreditamos que o veganismo e a alimentação com comida de verdade são os caminhos para uma vida saudável e para uma recuperação do meio ambiente. Agora que você já conhece um pouco mais sobre os problemas causados pela indústria da carne, que tal fazer parte dessa mudança com a gente e conhecer algumas receitas veganas aqui?

Deixe um comentário


X vinnu_lennartc

Opssss

A gente tá trabalhando em algumas novidades e por isso a loja estará instável das 15h as 24h.

Logo, logo estaremos de volta, tá!