Seu Carrinho
Fechar alternativas ícone

5 Ações Conscientes Que Deram O Que Falar Em 2015

Seta Fina Esquerda ícone
5 Ações Conscientes Que Deram O Que Falar Em 2015

Encerrando 2015 com olhar positivo e muita coisa para comemorar, nós listamos 5 iniciativas conscientes que nos trouxeram um olhar mais apurado e sincero sobre as nossas atitudes.

Escolhemos projetos responsáveis por nos tirar da zona de conforto e questionar comportamentos rotineiros, mas que precisam ser transformados. Repensar nosso lixo, nossas roupas, nossa alimentação e nosso machismo enraizado é pra ontem. Por isso, é com muito alegria que celebramos o alcance de todas essas iniciativas que tratam exatamente dessas questões e deram o que falar esse ano.

1.    Um Ano Sem Lixo

Viver produzindo o mínimo de lixo possível, essa foi a iniciativa audaciosa da Cristal Muniz, do blog Um Ano Sem Lixo. Inspirada em Lauren Singer, a nova iorquina do Trash Is For Tossers, Cristal se comprometeu a repensar todas as suas atitudes de consumo pelo impacto residual. Ou seja, cada compra era pensada de trás pra frente, a partir do comprometimento com o lixo zero.

A Cristal saiu nos jornais, na Globo, e em milhares de blogs e sites contando como ela vem conseguindo tal façanha. No blog, ela dá dicas pra você praticar o lixo zero no seu dia a dia também: compostagem, produtos do-it-yourself, muito sabão de coco e bicabornato de sódio, além de um kit básico de sobrevivência para comer fora de casa.

2.    Prêmio EcoEra

Não é de hoje que a ex-modelo, stylist e designer Chiara Gadaleta vem falando sobre sustentabilidade na moda, com foco, principalmente, no reuso.  Porém, esse ano, a idealizadora do Movimento EcoEra ganhou mais espaço na mídia com o Prêmio EcoEra.

O Prêmio tem como objetivo homenagear empresas inspiradoras e multiplicadoras de práticas conscientes em toda a cadeia produtiva, dos setores de moda e beleza. O apoio de uma das publicações de moda mais tradicionais do país, a Vogue Brasil, ajudou a levar dezenas de marcas conscientes ao conhecimento de consumidores ávidos por novidades.

3.    Trocaria, Projeto Gaveta, Roupateca e Roupa Livre

Trocar e compartilhar roupas para que elas tenham vida útil prolongada. A partir do conhecimento dos impactos da produção de moda no mundo, essa prática ganhou os holofotes e projetos como Trocaria e Gaveta tiveram força e espaço na mídia (e no coração das pessoas) em 2015.

A empreitada pioneira de trazer o conceito de “biblioteca de roupas” para o Brasil também foi importante e a Roupateca abriu as portas em São Paulo já com a lista de primeiros cinquenta assinantes completa. A prática da troca e do armário compartilhado deve se fortalecer ainda mais em 2016. Prova de que as pessoas estão ligadas e apostando nisso é o financiamento coletivo bem sucedido do aplicativo do Roupa Livre, que promete ser um Tinder para trocas de roupa.

4.    #PrimeiroAssédio

Quem não leu sobre a hashtag “primeiro assédio” provavelmente não teve acesso a Internet esse ano. O movimento de conscientização sobre a erotização do corpo feminino infantil, que surgiu a partir da indignação com os comentários sexualizando uma menina de 12 anos participante do Master Chef Junior BR, tomou a Internet e revelou como o assédio sexual começa muito cedo na vida das mulheres.

A iniciativa da Jules De Faria, co-fundadora do coletivo feminista Think Olga, responsável também pelo movimento Chega De Fiu Fiu, saiu em revistas, jornais e chamou a atenção para um problema enraizado na nossa cultura e que passa(va) desapercebido: a normatização da pedofilia. Relatos de abusos tomaram as redes sociais e a hashtag entrou nos trending topics do Twitter, revelando experiências de assédio, abuso e estupro em idades muito tenras: 3, 5, 9 anos. O movimento foi tão impactante que fez a pesquisa por “o que é assédio” ser uma das mais numerosas do ano no Google Brasil.

5.    Se Você Ama Um, Por Que Come O Outro?

A Sociedade Vegetariana Brasileira vem fazendo um trabalho notável de disseminação da alimentação vegetariana estrita. Esse ano, a campanha “Se Você Ama Um, Por Que Como O Outro?”, que questiona nossos hábitos de amar cachorros e comer porcos, saiu de São Paulo, onde já tinha ganhado espaço surpreendente nas estações de metrô, e ganhou outras cidades.

Além disso, a SVB já está com um programa em fase de implantação nas 49 unidades dos restaurantes Bom Prato em São Paulo, que servirão refeições vegetarianas por R$1 todas as segundas-feiras como parte da iniciativa Segunda Sem Carne. A expectativa é que todas as unidades adotem os pratos vegetarianos até o final de 2016.

Deixe um comentário

x