Fechar ícone

10 jeitos de evitar o plástico na cozinha

Seta Fina Esquerda ícone Seta Fina Direita ícone
10 jeitos de evitar o plástico na cozinha

Nem sempre percebemos, mas lidamos com muito plástico na cozinha! São detalhes que fazem parte do dia a dia, muitas vezes hábitos herdados de outras gerações e algumas “verdades absolutas” que não lembramos de questionar. 


Mas sabia que tem como eliminar todo esse plástico do seu cotidiano sem fazer sacrifícios? 


Seguindo nossa série de posts sobre como ter uma cozinha mais sustentável (o primeiro está aqui, vem ler), hoje é dia de falar desse vilão do meio ambiente que já estamos cansadas de saber que não tem mais lugar no mundo que queremos. 


A melhor notícia é que basta sair do piloto automático para ter uma cozinha sem plástico e com mais saúde!


  1. Plástico filme: Tem gente que não vive sem ele. Usa para embalar frutas, verduras, fechar potes e pratos com sobras de comida. O plástico filme é um hábito muito comum e presente nas cozinhas brasileiras, mas não tem nada de ecológico.

Além de ser de… plástico, ele não é reciclável e é quase impossível reaproveitar porque tem uma durabilidade baixíssima. Vale também para os plásticos que embalam alimentos que vem em bandejinhas, que por sua vez também são um problema…


Se livrar do plástico filme é fácil: use potes com tampa para guardar alimentos. Frutas não precisam ser embaladas individualmente. Se você vai levar na bolsa para lanchar, envolva em um guardanapo de pano ou um saquinho reutilizável. Para fechar pratos ou potes sem tampa, use tecidos encerados, que são laváveis e reutilizáveis. Pronto!


  1. Esponja: A esponja comum de cozinha é um problemão. Feita de uma mistura de plásticos, torna a reciclagem quase impossível, além de pouco viável economicamente. Cada plástico tem especificidades que dificultam muito a reciclagem, além de estarem amalgamados.

Outro grande problema é que essas esponjas facilmente acumulam bactérias, e isso faz com que muita gente troque de esponja com uma frequência muito grande. A história você já sabe: depois de usada, a esponja vai para o lixo comum, para o aterro e fica lá por centenas de anos. 


Troque a esponja comum por bucha vegetal. Não, a bucha não risca panelas nem pratos, porque ao ser molhada ela amolece. Você encontra em feiras livres opções de bucha sem embalagem, que podem inclusive ter cerca de 1 metro. Você vai cortando os pedacinhos e usando conforme precisar. 


A higienização é fácil: deixe de molho em água fervente, se quiser com um pouco de vinagre, sempre que achar necessário. Quando ela ficar muito mole devido ao uso, pode ir para o lixo comum ou para a composteira!


  1. Potes: A praticidade dos potes de plástico é inegável, mas você quer mesmo encher a sua cozinha com esse material? Mesmo os que dizem ser seguros para a saúde e não liberar substâncias tóxicas podem, em algum nível, ter essa liberação durante o uso e o frequente congela-esquenta-congela, além de riscarem na lavagem, mancharem e ficarem com cheiro. 

A melhor alternativa é o pote de vidro, que não mancha, não pega cheiro, não risca e pode sim ser congelado! É só não encher os potes até a boca, deixando uns dois dedos de altura vazios, e tampar depois da comida congelar. Para descongelar sem choque térmico, tire do freezer e coloque na geladeira.


Além disso, você pode reaproveitar potes de vidro de alimentos que você comprou. Não precisa sair correndo e comprar um monte de pote novo, basta guardar o que você já tem! 


  1. Utensílios: Aqui é simples: ao invés de colheres, conchas, espátulas, acessórios e aquele monte de coisa plástica e colorida, dê preferência aos materiais naturais e duráveis. 

Os utensílios de bambu estão em alta (o que significa maior acessibilidade e preços mais baratinhos) e são bonitos, além de ecológicos e naturalmente atóxicos. Sempre procure por materiais como madeira, bambu, vidro, porcelana ou inox. 


Ainda tem toda aquela variedade de cacarecos de cozinha como porta-guardanapos, porta-frios, lugares americanos, porta-copos, colherinhas, formas de gelo, tábuas de corte, abridores de latas, saca-rolhas, cabos de talheres, organizadores de gavetas, medidores, organizadores de pia, rodinhos, escorredores de louça… a lista é gigante, e garantimos que a esmagadora maioria dessas coisas tem opção em outros materiais além do plástico. 


  1. Luvas: Você usa luva para lavar a louça? A não ser que você precise por algum motivo específico, como sensibilidade na pele e alergias, a melhor dica é não usar. 

Caso seja necessário, recomendamos procurar por luvas de silicone, que são muito mais duráveis, podem ser lavadas, não rasgam como as comuns de borracha e tem durabilidade e resistência muito maiores. 


  1. Detergente: Os materiais de limpeza comuns vêm todos embalados. E as embalagens, claro, são de plástico. Como se livrar disso? Apostando em detergentes ecológicos. 

Você tem algumas opções: dispensar o detergente líquido e passar a usar sabão de coco em barra, fazer seu próprio detergente com apenas sabão de coco, vinagre e álcool, ou ainda adotar opções ecológicas que existem no mercado, que são vendidas com embalagens recicláveis de papelão. 


  1. Lixeira: Ai, o lixinho da cozinha… outro vício do brasileiro e uma das grandes desculpas para ter sempre em casa sacolinhas plásticas do supermercado. Será que precisa mesmo? 

Primeiro de tudo, você pode reduzir em até 50% o lixo da cozinha se começar a compostar. Você pode ter uma lixeira com fundo removível e lavável caso precise de uma na cozinha. Centralize todo o lixo orgânico em só um recipiente maior, que você leva para a coleta de lixo na sua rua. Isso já reduz muito a quantidade de saquinhos! 


Não, higienizar com água e detergente a sua lixeira pequena não vai representar um grande gasto de água. 


  1. Embalagens: Difícil ir ao supermercado fazer as compras mais básicas e não voltar pra casa com a sacola cheia de produtos embalados em plástico né? Essa é uma das maiores frustrações de quem tenta viver uma vida sem lixo!

A nossa dica aqui é optar sempre que possível por compras a granel e feiras. Infelizmente, nem todo mundo tem tempo e disponibilidade pra fazer isso, então também vale escolher produtos com embalagens de papelão ou vidro quando tiver a opção. 


  1. Água engarrafada: É muito fácil parar de comprar água para consumir em casa. Basta ter um (ou mais, dependendo da quantidade de pessoas que moram com você) filtro de barro ou cerâmica. Essa é uma das melhores tecnologias de filtragem que existem, a água sai fresca e limpinha, sem cheiros e sem precisar vir embalada em plástico.

Vale lembrar aqui que as “marcas de água” não vendem água, e sim garrafas. E uma porcentagem muito pequena de todo esse plástico é reciclada. Chega de garrafinhas (ou mesmo garrafonas de 20 litros) e viva o filtro!


  1. Tapetinhos: Pensou que a gente ia esquecer deles? Os tapetinhos e passadeiras são ótimos para ajudar a manter a cozinha limpa, principalmente perto de pias e fogões. Mas muitos deles são feitos em materiais como EVA, poliamida, poliéster, polipropileno, PVC e outros tipos de plástico. 

Nossa dica: prefira os tapetes de tecido ou de fibras naturais! São muito mais fáceis de lavar, você pode comprar de artesãos e fortalecer o comércio local, e se quiser “transformá-los” em tapetes antiderrapantes é só aplicar cola quente ou silicone na parte de baixo. 



E aí, conta pra gente qual dessas dicas você vai colocar em prática primeiro?


Lembrando sempre que você não precisa (aliás, não deve!) se desfazer das coisas que já tem. A ideia é não gerar lixo, certo? Então aproveite e faça durar tudo que já está por aí funcionando bem. ;)

Deixe um comentário